Reportagens

JORNAL DE BRASILIA - DF

CIDADES

NOTÍCIAS DA CIDADE

12/12/2009

Escola perto de casa

Com a inauguração da Escola Classe (EC) 02 na Vila São José, em Vicente Pires, 560 alunos matriculados em escolas de Taguatinga passaram a estudar perto de casa. Além de representar uma economia mensal de R$ 25 mil com transporte escolar, o funcionamento da nova unidade, a segunda de Vicente Pires, amplia a oferta de vagas na rede pública para o próximo ano letivo.

Na avaliação do diretor da EC 02, Valnei Marcos de Oliveira, em 2010 mais 250 alunos devem ser recebidos na escola, que tem capacidade para atender até 980 crianças no 1° e 2° períodos da Educação Infantil e nas séries iniciais - 1ª à 4ª - do Ensino Fundamental. Foi investido R$ 1,8 milhão na construção da unidade, que conta com 14 salas de aula funcionando de manhã e à tarde.

Nesta sexta-feira (11), a secretária interina de Educação, Eunice Santos, inaugurou oficialmente a unidade, que já funciona desde o dia 14 de outubro passado. "Essa escola é uma grande conquista para a comunidade, que já a reivindicava há muito tempo. Agora as crianças estudam com mais segurança", afirmou Eunice.

A dona de casa Elizabete Pereira, 42 anos, moradora da Rua 13, per-tinho da EC 02, concorda com a secretária de Educação. "Antes, tínhamos que atravessar o Pistão Nor-te, muito movimentado pela manhã, e acordar mais cedo para levar as crianças às aulas", explicou a mãe de dois alunos da nova unidade, que beneficiou diretamente os morado-res das colônias agrícolas Vicente Pires, São José e Samambaia.

A unidade escolar possui ainda laboratório de informática, quadra de esportes, parquinho infantil e amplo pátio coberto. Conta também com sala de leitura, banheiro adaptado para alunos com deficiência, e estacionamento, além de espaços para outras atividades pedagógicas, como sala de professores, coordenação, direção, secretaria escolar, depósitos e outras.

A-T E N DA

Já a Secretaria de Trabalho (SETRAB) encerrou, ontem, em Sobradinho II, mais uma edição do pro-grama A-Tenda Trabalhador. Durante 20 dias, a comunidade par-ticipou de cursos profissionalizantes e utilizou os serviços de orientação e encaminhamento profissional. Foram entregues 1.279 certificados. Durante o período, 5.153 pessoas foram atendidas.

Esta foi a 15ª edição do programa realizado no DF. Ele já passou por diversas cidades como Ceilândia, Re-canto das Emas, Paranoá e Estrutural. Segundo o secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, mais de 25 mil pessoas foram qualificadas para o mercado de trabalho. A copeira Raimunda Divina de Lima, 38, aproveitou a oportunidade para aprender um novo ofício. Durante dez dias ela frequentou as aulas de Modelagem Feminina e deu os primeiros passos em direção á uma carreira como costureira.

SAIBA +

A-Tenda Trabalhador foi criada com o intuito de qualificar mão de obra para o mercado

de trabalho.

O programa acontece em parceria com o Senai, que disponibiliza os instrutores dos cursos enquanto o GDF administra e banca a estrutura para que as aulas possam acontecer. Ele também possibilita

o acesso aos demais serviços da secretaria, como emissão de carteira de trabalho.
 
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
CLICABRASÍLIA



SETRAB

22/12/2009

Setrab entrega mais 142 cartas de crédito

A Secretaria de Trabalho (SETRAB) entregou, nesta terça-feira (22), mais 142 cartas de crédito do programa Negócio Legal. Esta foi a última remessa de empréstimos do ano. O valor do benefício chegou a R$ 1.081.291, divido em parcelas que vão de R$ 100 a R$ 10 mil para pessoas físicas, R$ 22 mil para pessoa jurídica e R$ 50 mil para cooperativas. Em 2009, o programa distribuiu R$ 15,7 milhões para 2.084 contratos firmados.

O Negócio Legal é uma linha de financiamento subsidiada pelo Fundo de Geração de Emprego e Renda (Funger), do GDF. A concessão é feita de forma fácil e rápida, com juros de 0,76% para investimentos e 0,86% para capital de giro. Isso representa 6% de juros ao ano para aqueles que procuram a SETRAB em busca de ajuda para montar ou ampliar o próprio negócio.

De acordo com secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, o programa favorece a formalização dos micro e pequenos empresários e ainda ajuda a criar novos postos de trabalho com carteira assinada. Segundo ele, para cada empréstimo há pelo menos três famílias (com três pessoas) envolvidas direta e indiretamente. Por isso, os cálculos da SETRAB são de que pelo menos 18,7 mil pessoas foram beneficiadas com a carta de crédito.

É o caso de Maria das Graças Nobrega, 52. Há dois anos ela pegou o primeiro empréstimo com o Negócio Legal, no valor de R$ 5 mil. De lá para cá, viu a empresa de enxovais crescer, saindo do quintal de casa para uma pequena sala comercial na cidade onde mora, em Santa Maria. "O negócio triplicou e ainda pude arrumar uma ocupação para a família. Ainda tenho fé de que podemos crescer mais", contou a microempresária, que renovou o empréstimo, agora no valor de R$ 10 mil.

Para obter o financiamento a pessoa tem que residir no DF há mais de três anos, ter experiência na atividade executada há mais de seis meses, não ter restrição no Sistema de Proteção ao Crédito (SPC) e apresentar avalista com renda superior a TRE vezes o valor da parcela.

Segundo Delmasso, o programa será ampliado em 2010 e passará a se chamar Banco do Povo. A expectativa é de que o número de pessoas beneficiadas diretamente passe de 18,7 mil para 50 mil. Além disso, a SETRAB espera aumentar o número de servidores que trabalham no projeto. Em 2009, os 2.084 contratos foram feitos por apenas 15 agentes em dois postos no DF - um em Taguatinga e outro no Plano Piloto. A quantidade de agentes deve subir para 65 e o número de postos chegará a 18.

Agência Brasília
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
MAISCOMUNIDADE.COM
SETRAB

01/01/2010 - Consulta de vagas pode ser feita pelo telefone

Novo serviço, lançado hoje pela Secretaria de Trabalho do DF, visa atender pessoas que não tem acesso a internet

O trabalhador terá mais uma ferramenta na busca por emprego no Distrito Federal. Foi lançado hoje Tele-Emprego, o primeiro serviço de procura de vagas disponível por telefone no Brasil através do serviço público. Para utilizar o novo sistema, o trabalhador precisa antes se cadastrar em uma das 16 agências do trabalhador da cidade. Depois disso, ele poderá consultar as oportunidades por meio do telefone 156.

O Tele-Emprego é mais uma iniciativa da Secretaria de Trabalho do DF (SETRAB) para facilitar a procura por vagas no mercado de trabalho. Há um mês a SETRAB também lançou o Portal do Emprego acessível no site www.trabalho.df.gov.br , para a procura da vaga pela internet. Até hoje foram mais de 30 mil consultas no portal e mais de mil pessoas encaminhadas para o emprego.

Com o atendimento telefônico, o órgão quer beneficiar as pessoas que não tem acesso a internet. "Uma boa parte dos trabalhadores ainda não tem internet em casa, para procurar uma vaga teriam que ir até uma agência. Com o Tele-Emprego, elas podem ligar de graça até mesmo de um telefone público e reservar sua vaga", afirmou o secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO.

Consulta - Para fazer a consulta por meio do Tele-Emprego, o candidato precisa ter o CPF em mãos para que o atendente possa efetuar a busca de vagas. O trabalhador receberá, logo em seguida, o número de um protocolo pelo seu celular. Esse número será a senha de reserva para que o trabalhador consiga retirar sua carta de encaminhamento em qualquer Agência do Trabalhador.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
CORREIO BRAZILIENSE - DF

CIÊNCIA

25/01/2010 - Interessados em investir no próprio negócio podem retirar empréstimo no Banco do Povo
Publicação: 25/01/2010 15:20 Atualização: 25/01/2010 15:44

Autônomos e empresários que pretendem investir em seus própios negócios podem solicitar empréstimo no Banco do Povo. Os recursos são do Fundo de Geração de Emprego e Renda, Programa de Apoio ao Empreendimento Produtivo (Pró-DF) e da arrecadação de impostos.

O interessado deve ter mais de 18 anos, morar no Distrito Federal há mais de três anos, ter experiência no ramo há mais de seis meses, ter um avalista e não ter restrição no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), Serasa e na Fazenda Pública do Distrito Federal.

Serão disponíveis no total R$ 13 milhões para empréstimo. Pessoa física tem direito no máximo a R$ 11,2 mil e pessoa jurídica a R$ 22 mil. Os financiamentos têm 6% de juros ao ano e segundo o secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO Martins esta é a menor taxa de juros do mercado. "É a primeira vez que este tipo de empréstimo é aberto no Banco do Povo. O nosso foco é no empreendedor individual, pois é o que tem mais dificuldade em investir no negócio", disse o secretário.

As inscrições podem ser feitas até o mês de dezembro em qualquer Agência do Trabalhador, mas quanto mais rápido o empréstimo for solicitado melhor. No ato da inscrição a pessoa será informada pelo atendente se está apta ou não a receber a ajuda.

Depois disso, em no máximo 20 dias, chegará uma carta com um formulário de abertura de conta no Banco de Brasília (BRB), onde o empréstimo será depositado, dentro do mesmo período de tempo. Em dois dias, o inscrito deve decidir o plano de pagamento.

Para pessoas físicas que usarão o dinheiro como capital de giro, o empréstimo pode ser dividido em até 9 vezes, podendo adiar o primeiro pagamento em até 90 dias. Para pessoas físicas interessadas em investir em um negócio já existente, pessoas jurídicas e produtores rurais podem parcelar a dívida em até 24 meses, com possibilidade de pagar a primeira parte em janeiro de 2011.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AGÊNCIA BRASÍLIA


11/12/2009 - A-Tenda Trabalhador qualifica 1,2 mil

11/12/2009 - 21:55
Trabalho e Desenvolvimento Social

Programa completou um ano e transformou a vida de mais de 25 mil trabalhadores no DF. A copeira Raimunda Lima, 38 anos, fez o curso de Modelagem Feminina e já planeja seu futuro profissional.

"O curso é básico mas é a porta de entrada para uma carreira"Odete Carneiro

Instrutora do A-Tenda Trabalhador

A Secretaria de Trabalho (SETRAB) encerrou, nesta sexta-feira (11), em Sobradinho II, mais uma edição do programa A-Tenda Trabalhador. Durante 20 dias, a comunidade participou de cursos profissionalizantes e utilizou os serviços de orientação e encaminhamento profissional. Foram entregues 1.279 certificados. Durante o período, 5.153 pessoas foram atendidas.

Esta foi a 15ª edição do programa realizado no DF. Ele já passou por diversas cidades como Ceilândia, Recanto das Emas, Paranoá e Estrutural. No mês de novembro, a SETRAB comemorou um ano de sucesso do A-Tenda Trabalhador. Segundo o secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, mais de 25 mil pessoas foram qualificadas para o mercado de trabalho. Nesse período, cerca de 1,5 mil foram encaminhadas para estágio e cerca de 3 mil conquistaram uma vaga de emprego.

A copeira Raimunda Divina de Lima, 38, aproveitou a oportunidade para aprender um novo ofício. Durante 10 dias ela frequentou as aulas de Modelagem Feminina e deu os primeiros passos em direção á uma carreira como costureira. "Foi ótimo para mim. Aprender nunca é demais. Estou muito satisfeita com tudo que vi em sala de aula. Vou começar a criar agora", contou animada.

"O curso é básico mas é a porta de entrada para uma carreira. A partir de agora ela está apta a fazer qualquer modelagem de roupa e também livre para usar a criatividade nos tecidos", contou a instrutora de Raimunda, Odete Carneiro, 57. Segundo ela, o curso poderá ter grande utilidade, já que há muitas empresas de confecção na região de Sobradinho e a demanda estava reprimida.

O secretário Delmasso contou que o cronograma de trabalho volta a funcionar em janeiro de 2010. A estrutura do GDF, onde acontecem as aulas, será instalada pela primeira vez em Taguatinga. Depois seguem para cidades onde ainda não passou, como Riacho Fundo II e Brazlândia.

A-Tenda Trabalhador foi criada com o intuito de qualificar mão de obra para o mercado de trabalho. O programa acontece em parceria com o Senai, que disponibiliza os instrutores dos cursos enquanto o GDF administra e banca a estrutura para que as aulas possam acontecer. Ele também possibilita o acesso aos demais serviços da secretaria, como emissão de carteira de trabalho, orientação para empréstimos do Negócio Legal, seguro DESEMPREGO, oficinas de artesanato, orientação para associativismo e cooperativismo.

Antes de se instalar nas cidades, a SETRAB faz uma pesquisa de mercado para avaliar quais áreas estão mais carentes de mão de obra. Em Sobradinho II os cursos oferecidos foram de auxiliar de cabeleireiro, auxiliar de padeiro, auxiliar de salgadeiro, camareiro, garçom, informática, manicura e modelagem básica feminina.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ADMITE-SE.COM.BR

04/03/2010 - Empresários recebem carta de crédito e prometem gerar empregos

Correioweb - Admite-se

04/03/2010 10:43

A Secretaria do TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL entregou nesta quarta-feira (3/3), no Buritinga, as primeiras Cartas de Crédito do Banco do Povo deste ano. A instituição bancária tem uma linha de financiamento subsidiada pelo Fundo de Geração de Emprego e Renda (Funger), com juros de 0,76% para investimento e 0,86% para capital de giro.

O valor total emprestado aos micro e pequenos empresários é de R$ 800 mil reais. O objetivo é de, além de incrementar os negócios, promover a geração de empregos no DF. A cerimônia na sede administrativa do GDF estava lotada.

Maria Neide Ferreira, 52, chegou dez minutos atrasada e não teve onde sentar. Mas nem se importou. Ela é feirante na Feira do Produtor. Em sua barraca vende frutas, verduras e plantas medicinais. "Se não fosse o empréstimo eu não conseguiria manter meus funcionários e nem a barraca", conta ela.

O principal atrativo da carta de crédito são os juros baixos que permitem ao empresário investir no seu negócio, pagar sua dívida e manter um bom lucro. É o caso de Grazielle Lídia Gomes de Sousa, 29. Ela ganha R$ 3 mil reais por mês com seu negócio, onde trabalha em parceria com a mãe. Elas fazem enfeites para festas infantis. "O crédito nos ajudou a crescer, nós usamos o dinheiro para comprar a matéria-prima que precisamos".

Seu Raimundo de Castro, 51, mantém a família empregada em seu negócio. Ele trabalha com os filhos e a esposa na lanchonete na Candangolândia. O lucro é de cerca de R$ 3 mil reais. "Já é a sexta vez que peço o crédito. No início me ajudou a comprar os equipamentos, hoje serve para comprar os produtos que precisamos".

E a plateia era só sorrisos. E os que discursaram também. Além do secretário e do subsecretário do Trabalho, outros membros da secretaria explicaram como funciona o crédito e ressaltaram a importância de pagar os carnês em dia para que o Banco do Povo possa dar continuidade aos empréstimos.

O subsecretário Valteni Sousa explicou que o Banco do Povo, por enquanto com apenas duas agências - uma no plano piloto e outra em Taguatinga -, terá brevemente mais 16 espalhadas por todo o DF. "Nós queremos facilitar a vida de quem mora em Planaltina, Sobradinho, para que vocês possam gerar mais emprego", disse ele aos 117 empresários que receberam o crédito.

Além disso, ele ressaltou a importância de muitos dos micro e pequenos empresários saírem da informalidade para a formalidade. "Com R$ 57 por mês vocês podem se tornar pessoas jurídicas. Aí vocês poderão conseguir até R$ 22 mil em empréstimo", explicou ele. Isso acontece porque quem é empresário informal pode pedir até R$ 11 mil em empréstimo. Valteni completou: "Nós sabemos das dificuldades e queremos ver vocês crescerem".

O secretário do Trabalho RODRIGO DELMASSO lembrou que são os pequenos e microempresários que sustentam a economia brasileira. Em um discurso descontraído e rápido pediu um favor a todos presentes: "Gerem pelo menos uma vaga de emprego para ajudar alguém que está desempregado. Assim vamos conseguir diminuir a taxa de DESEMPREGO de dois para um dígito e fecharmos 2010 com a menor taxa de DESEMPREGO do Brasil".

Fundo de Geração de emprego e Renda

O objetivo do Funger é a aplicação de recursos financeiros em programas produtivos geradores de emprego e renda, explorados por pessoas de baixa renda dos setores informal e formal da economia, pequena prestadores de serviços, feirantes, artesãos, associações de trabalho e de produção, dentre outros.

O programa

Em vigência há quase 15 anos no DF, essa linha de crédito fornece capital de giro - aquele utilizado para investir na empresa e fazê-la crescer - e capital fixo - o que é usado para comprar equipamentos, máquinas, ferramentas.

Para obter o financiamento a pessoa tem que residir no DF há mais de três anos, ter experiência na atividade que executa há mais de seis meses, não ter restrição no Sistema de Proteção ao Crédito (SPC) e apresentar um avalista com renda superior a três vezes o valor da parcela.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ZÉ MOLEZA


01/04/2010 - Trabalho perto de casa

01.04.2010 - 03h11

O emprego está mais perto de casa. Com o crescimento da oferta de vagas fora do Plano Piloto, moradores das regiões administrativas têm se deslocado menos para trabalhar. Aos poucos, as cidades do Distrito Federal se livram do estigma de satélites. Os números de fevereiro da Pesquisa de Emprego e DESEMPREGO (PED), divulgados ontem, mostram o aumento de oportunidades nas áreas de baixa renda, o que desacelera as migrações para a área central.

A taxa de DESEMPREGO no DF caiu de 14,7%, em janeiro, para 14,1% no mês passado. Entre os meses de fevereiro, o índice só não é menor do que o registrado no primeiro ano da série histórica, em 1992, quando o percentual ficou em 14%. Desde então, o melhor resultado foi em novembro de 1994: 12,9%, recorde que deve ser superado até o fim deste ano, de acordo com a previsão de técnicos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Diesse), que coordena a PED.

Em fevereiro, foram criados 7 mil postos de trabalho no DF, quase todos nas cidades de menor renda: Brazlândia, Ceilândia, Samambaia, Paranoá, São Sebastião, Santa Maria e Recanto das Emas. O número de desempregados chegou a 197 mil pessoas, 8 mil a menos do que em janeiro. A População Economicamente Ativa (PEA) se manteve estável - 2,145 milhões de pessoas - e o nível ocupacional subiu 0,6%, desempenho atípico para o período.

Os setores da atividade econômica que mais puxaram o aumento do emprego foram a indústria (6,8%) e a construção civil (4,7%). A taxa de ocupação no grupo que inclui serviços domésticos cresceu 3,7%. Não houve alteração nos números da administração pública. O comércio foi o único que reduziu a oferta de postos de trabalho (-1%), resultado explicado pelo fim do período de contratações temporárias em shoppings e comércio de rua.

Recuperação

Durante a divulgação dos dados, o economista do Diesse Tiago Oliveira acrescentou que o resultado observado no DF foi o melhor entre as regiões metropolitanas pesquisadas. "No DF, a indústria está recuperando mais rápido os postos de trabalho perdidos em 2009, por causa da crise, e a construção civil não para de contratar", justificou, antes de reforçar a queda no índice de DESEMPREGO nas cidades com menor poder aquisitivo, fato que ocorre desde março do ano passado.

Para o secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, a pesquisa indica que micro e pequenos empresários passaram a investir nas cidades onde vivem. "Há uma descentralização dos investimentos. O emprego não se concentra mais somente na região central de Brasília", comentou. "O bom disso é que um emprego gera outro. Existe um efeito multiplicador", emendou a coordenadora da PED, Adalgiza Lara.

Quem chega para abastecer em um posto na entrada do Recanto das Emas percebe a alegria da frentista Denise da Silva, 30 anos. Moradora da cidade, mãe de dois filhos, ela conseguiu a vaga há menos de uma semana. Vai ganhar R$ 744 por mês(1), após quase dois anos desempregada. "Já estava desesperada, pensando em vender salgado, fazer alguma coisa pra ganhar dinheiro", contou. "Quando penso que não, me chamam. Foi bom demais", completou.

Há mais de dois anos, o mestre de obras Francisco Alcides, 40 anos, não precisa sair de Samambaia, onde mora com a esposa e quatro filhos, para conseguir emprego. "Não falta obra por aqui. A cidade é uma das melhores para quem mexe com construção civil", disse. Esta semana, ele começou a reforma de um restaurante na Quadra 408. O trabalho deve durar 40 dias. "Não dá é pra ficar parado. Depois dessa, já tenho outras programadas", completou. Por mês, ele ganha entre R$ 800 e R$ 1,2 mil por mês.

1 - Renda estável

De acordo com os dados da PED, o rendimento médio real dos ocupados no DF permaneceu estável em janeiro (-0,1%) e foi estimado em R$ 1.832. O rendimento médio real dos assalariados recuou 0,6%, correspondendo a R$ 2.076. Os números referentes a fevereiro serão divulgados em março.

RECANTO DAS EMAS GANHA AGÊNCIA

A Secretaria de Trabalho inaugurou ontem a nova sede da Agência do Trabalhador no Recanto das Emas, localizada na avenida que leva o nome da cidade, Quadra 205, lotes 1 e 2. "Quando assumi a agência, em 2006, só tínhamos um computador. Agora, vamos ter 18, é a realização de um sonho", disse a coordenadora da unidade, Lúcia Aleixo. Ela acredita que o número de atendimentos - atualmente são 300 por dia - dobre após a inauguração. Ontem, a Secretaria fechou convênio com o Instituto Fecomércio, que permitirá o ingresso de jovens e adolescentes em programas de estágio.

fonte: Correio Braziliense
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ADMITE-SE.COM.BR
05/03/2010 - Estudo do Dieese mostra o novo perfil das cuidadoras de lares no Distrito Federal

Correio Braziliense

05/03/2010 10:32

Os dados revelam também que a exploração da mão de obra juvenil praticamente desapareceu

Mais velhas, mais escolarizadas e mais respeitadas em seus direitos. Muita coisa mudou para melhor para as trabalhadoras domésticas do Distrito Federal nos últimos nove anos. Entretanto, ainda há muito a ser feito para conferir mais dignidade à profissão de cuidadora do lar alheio, revelam os dados do estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgado ontem. A pesquisa específica sobre a profissão de empregada doméstica se justifica: a função faz parte do segundo segmento da economia que mais emprega mulheres no DF. Com 17% das trabalhadoras de Brasília e região, fica atrás apenas de serviços gerais, que concentra 63,5% da mão de obra feminina. Se os dois setores se destacam como grandes empregadores de mulheres, o equilíbrio da divisão por raça ou cor das trabalhadoras em cada um é diferente.

Em 2009, o segmento serviços empregava 59,8% de mulheres negras e 40,2% de não negras. Em contrapartida, o de serviços domésticos, no mesmo período, apresentava uma desproporção giganteca: 81% das trabalhadoras eram negras e só 19% brancas. Um desequilíbrio que, em lugar de recuar com o tempo, se acentuou. Em 2000, a quantidade de empregadas domésticas negras era de 70,5%.

Outros dados sobre a evolução do trabalho doméstico, entretanto, são positivos. A quantidade de crianças e adolescentes trabalhando no segmento, por exemplo, caiu de 6,9%, em 2000, para um número não representativo nas estatísticas no ano passado. O número de jovens entre 18 e 24 anos com empregos domésticos também caiu no período, passando de 31,4% para 14,4%.

Para as mulheres mais velhas, a lógica se inverteu: elas, que nem sequer figuravam em gráficos e tabelas há nove anos, chegaram a uma proporção de 26,7%, na faixa de 40 a 49 anos, e de 10,7%, entre as de 50 a 59 anos. das funcionárias do lar em 2009. Juntas, portanto, passaram a representar 37,4% do total de ocupadas do setor. Não superaram, no entanto, o número de trabalhadoras entre 25 e 39 anos, que desde 2000 reinam absolutas (veja quadro).

Envelhecimento

Na avaliação do Dieese, o fenômeno de envelhecimento das domésticas pode ser explicado de duas maneiras. Primeiro, a função se tornou menos atraente para mulheres mais jovens nos últimos anos. Segundo, os empregadores estão preferindo funcionárias mais experientes.

"Com o aumento da escolaridade do trabalhador, as jovens veem cada vez menos com bons olhos o ingresso na vida profissional por meio do serviço doméstico. Em relação às mais velhas, pode estar ocorrendo uma tendência por parte do empregador a procurar esse perfil. Mas temos que levar em conta também que o serviço doméstico é um dos poucos setores do mercado de trabalho que ainda absorve mulheres adultas e de baixa escolaridade", diz Tiago Oliveira, economista do Dieese e um dos responsáveis pela pesquisa.

A baixa escolaridade das domésticas no DF foi atenuada nos últimos anos, mas continua preocupante. O setor também passa por um fenômeno de formalização, com aumento da quantidade de celetistas.

A Secretaria de Trabalho do DF apresentará ao MINISTÉRIO DO TRABALHO nas próximas semanas o Plano de Qualificação dos Serviços Domésticos. De acordo com o secretário da pasta, RODRIGO DELMASSO, a intenção é qualificar brasilienses para o trabalho doméstico e elevar a escolaridade de quem está no segmento. "Até o fim de abril, devemos estar com inscrições abertas para cursos gratuitos", adiantou o secretário.

Os cursos de aprimoramento de domésticas podem beneficiar pessoas como Antônia Rodrigues Araújo, 27 anos. Ela tem carteira assinada, trabalha para a mesma patroa há oito anos e dois meses e afirma estar satisfeita com o salário que ganha. Ela conta, entretanto, que interrompeu os estudos na 8ª série e, desde então, não se sentiu estimulada a voltar.

A nova cara das cuidadoras de lares

2000

As mulheres negras eram maioria entre as empregadas domésticas, correspondendo a 70,5% do contingente de trabalhadoras

A maioria das domésticas (41,7%) era de adultas entre 25 e 39 anos, mas era forte a representação de jovens de 18 a 24 anos (31,7%) e havia crianças e adolescentes, de 10 a 17 anos, trabalhando no setor (6,9%)

Em 2000, mulheres analfabetas e com ensino fundamental incompleto constituíam 71,7% do total de domésticas. As com ensino fundamental completo e médio incompleto eram 6,7%. As que haviam completado o ensino médio e cursavam o ensino superior não apareciam nas estatísticas.

Jornada de trabalho semanal de 43 horas, maior do que a média da jornada de outros trabalhadores, que é de 41 horas por semana.

O contingente de mensalistas com carteira assinada era de 31,3%.

Quanto à posição ocupada dentro do lar, as trabalhadoras chefes de família eram 17,8%; as cônjuges, 26%; e as filhas, 7,5% do total.

2009

As negras continuam sendo maioria, mas ocupam ainda mais maciçamente esse segmento do mercado: correspondem a 81% do total de trabalhadoras

O número de crianças e adolescentes trabalhando já não é representativo nas estatísticas. Jovens de 18 a 24 anos se afastaram do mercado e são apenas 14,4% do número total de ocupadas. Mulheres adultas, de 25 a 39 anos, seguem dominando, mas as mais velhas, entre 40 e 59 anos, ganharam espaço considerável. As primeiras são 44,7% das domésticas, e as segundas, que sequer tinham representação no segmento há nove anos, são 37,4%.

A escolaridade das trabalhadoras subiu. Hoje, o número de domésticas com ensino fundamental incompleto ou analfabetas caiu para 50,8%. As mulheres que terminaram o ensino fundamental, mas não o médio, passaram a ser 24,6% do trabalahadoras do setor. As que chegaram a iniciar um curso superior, algo inédito em 2000, são 24,4%.

A jornada de trabalho caiu para 39 horas semanais, ficando abaixo da média geral.

Cresceu a formalização no segmento, com 43,6% das mensalistas com carteira assinada.

Cresceu o número de chefes de família com emprego doméstico, para 27,2%, e caiu o número de filhas, para 5,7%, o que reforça o dado de que a mão de obra jovem está se afastando do segmento.

As mulheres são 95% do total de empregados domésticos no DF

* Dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese)
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
PORTAL COPA 2014

17/02/2010 - Brasília Turística: taxistas têm 1º contato com projeto de capacitação para Copa

Motoristas de táxi receberão capacitação profissional para atender melhor aos turistasNo último dia 30, taxistas do Distrito Federal tiveram o primeiro contato com o projeto Brasília Turística, iniciativa da Secretaria do Trabalho (SETRAB) em parceria com a Agência Brasiliense de Turismo (Brasiliatur). O objetivo é que, por conta da realização de jogos da Copa do Mundo de 2014 em Brasília, motoristas de táxi tenham a oportunidade, até o final deste ano, de passar por capacitação profissional e estejam mais bem preparados para atender aos visitantes da capital do País.

Na primeira etapa do projeto, com início marcado para o dia 22 de fevereiro, serão atendidos 200 motoristas de táxi. Na segunda quinzena de março, o curso será oferecido a mais 200 profissionais, até completar o total de 1350 motoristas. Em duas horas diárias de aulas durante dois meses, os taxistas receberão ensinamentos nas áreas de História de Brasília, Ética e Cidadania, Comportamento e Relações Interpessoais, Turismo no DF, Qualidade no Atendimento, Empreendedorismo, Inglês e Espanhol básicos, além de temas relacionados à preservação do meio ambiente e ao combate à exploração sexual.

As aulas serão ministradas em dois locais, para facilitar o comparecimento dos taxistas. Motoristas que trabalham em pontos no Plano Piloto, como o Setor Hoteleiro, por exemplo, poderão fazer o curso no Instituto Terra Mater, na 903 Sul. Também haverá aulas na sede do sindicato da categoria, próxima ao Aeroporto Internacional de Brasília.

As inscrições podem ser feitas na Agência do Trabalhador da Galeria dos Estados, na plataforma superior da estação do metrô. É necessário apresentar a licença ou permissão de uso válida, carteira de identidade e comprovante de residência. Também é preciso ser permissionário há mais de um ano e ter concluído o ensino fundamental. Motoristas locatários também podem se inscrever.

Para o secretário do Trabalho, RODRIGO DELMASSO, o curso será essencial para que o taxista possa atender bem ao turista, apresentando o que há de melhor na cidade e oferecendo tratamento de qualidade. Delmasso lembrou que Brasília conta com linhas aéreas diretas para a capital portuguesa, Lisboa, e para Atlanta, nos Estados Unidos, e que já existem outras três companhias de aviação - duas americanas e uma espanhola - interessadas em abrir voos com destino à capital brasileira. O presidente da Brasiliatur, João Oliveira, destacou a importância dos taxistas no fomento ao turismo local. "São os atores principais do processo de desenvolvimento do setor no Distrito Federal. São eles que recebem os turistas no aeroporto e os levam para os restaurantes e para conhecer a cidade", ressaltou.

Há seis anos nesta atividade, Edney Ferreira, 32 anos, está empolgado com a oportunidade de ampliar seus conhecimentos. "O aprendizado sempre melhora a vida das pessoas. O conjunto de ensinamentos que receberemos contribuirá para enriquecer nosso conhecimento e oferecer um tratamento melhor aos passageiros", acredita o motorista, que faz ponto na 410 Norte.

O diretor do Sindicato dos Taxistas do DF, Nabor Rabelo, também está confiante em relação à iniciativa. "Espero que todos tenham esta oportunidade de melhorar a comunicação com o passageiro. Fica chato a pessoa entrar em um táxi e o motorista nada entender do que ela está falando ou não ter conhecimento sobre a cidade", observou.

Fonte: Agência Brasília.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
PORTAL COPA 2014


09/02/2010 - Profissionais de Brasília na sala de aula

Projeto deve capacitar mais de mil taxistas por ano até 2014

postado em 09/02/2010 18:17 h

Profissionais de Brasília já estão nas salas de aula de olho na Copa de 2014. Desde o dia 30/1 o Projeto Brasília Turística, da Secretaria de Trabalho do GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL, oferece aulas para os taxistas da região com o objetivo de formá-los para receber melhor os turistas. O projeto pretende formar 1.350 trabalhadores por ano até 2014.

Os taxistas terão aulas história de Brasília, ética e cidadania, comportamento e relações interpessoais, turismo no DF, qualidade no atendimento, empreendedorismo, inglês e espanhol básico. O curso terá carga horária de 120 horas. Segundo o secretário de Trabalho do DF, RODRIGO DELMASSO, todas as disciplinas vão ajudar no trabalho com o turista. "Com a matéria de ética, por exemplo, ensinaremos para o taxista que além de ser ilegal, não faz parte da profissão mostrar o turismo sexual na cidade", exemplifica.

A ideia do projeto surgiu com as demandas do sindicato da classe e dos próprios turistas que vêm à capital federal. "Muitas vezes o turista chegava à cidade e o taxista não sabia informar os pontos turísticos", afirma Delmasso.

Para participar do Projeto Brasília Turística é preciso que o candidato seja taxista no DF há pelo menos um ano, tenha o ensino fundamental e não responda a nenhum processo administrativo na Secretaria de Transporte. Os interessados devem procurar uma das Agências do Trabalhador com a licença ou permissão de taxista válida, carteira de identidade e comprovante de residência

Construção civil

A expectativa do secretário é que seja lançado em março o Plano de Qualificação da Construção Civil. O projeto é formar a mão-de-obra para trabalhar na construção do novo Estádio Nacional de Brasília, onde hoje está o Estádio Mané Garrincha, e na reforma de outros estádios nas cidades-satélites. O plano é fruto de uma parceria com o Governo Federal e será voltado aos beneficiários do Programa Bolsa Família. O plano ainda está em fase de licitação e deve formar 1.890 pessoas ainda neste ano.

Delmasso também planeja cursos de reciclagem para garçons e atendentes, além de formação de profissionais de comunicação, como cabomen e cinegrafistas, para dar suporte à cobertura dos jogos em 2014. Ainda não há data para esses projetos saírem do papel. O Sebrae-DF, em parceria com instituições locais, também está em fase de elaboração de projetos para a Copa para auxiliar e orientar empresários e microempresários do setor de serviços.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AGÊNCIA BRASÍLIA


12/03/2010 - GDF irá investir na qualificação profissional das Satélites e Entorno

12/03/2010 - 18:11
Trabalho e Desenvolvimento Social

Secretário RODRIGO DELMASSO anuncia investimento de R$ 9,5 milhões em cursos para moradores de 16 cidades goianas e mineiras. Cinco áreas serão contempladas

Em 2010, a Secretaria de Trabalho irá investir R$ 9,5 milhões na qualificação de 12 mil pessoas na região do Entorno. O anúncio foi feito pelo secretárioda da pasta, RODRIGO DELMASSO, durante 2° Encontro Regional do Trabalho Emprego e Renda da RIDE (Região Integrada de Desenvolvimento do DF e Entorno), em Formosa-GO, na última quarta-feira (10).

Representantes de 16 prefeituras de municípios de Goiás e Minas Gerais contemplados com o benefício participaram do evento. Cinco áreas, inicialmente, serão contempladas: indústria, comércio, serviço doméstico, artesanato e turismo.

Para Delmasso, o investimento vai proporcionar maior renda nessas cidades e consequentemente gerar mais trabalho na região. "Vamos qualificar os moradores das satélites e entorno do DF. Isso reduz a procura por vagas nos centros administrativos", explicou.

Ainda segundo Delmasso, após o fim do levantamento das necessidades de cada localidade beneficiada e apresentação da proposta no MINISTÉRIO DO TRABALHO, os cursos terão início. "A expectativa é que no próximo semestre os cursos já sejam iniciados", afirmou o secretário.

Além de anunciar o investimento nas cidades vizinhas, o encontro promoveu a implantação de um Fórum que irá articular a unificação de políticas públicas de geração de emprego, trabalho e renda, em torno de 10 projetos estruturantes:

1. Unificação de Políticas Públicas de Geração de Emprego, Trabalho e Renda da RIDE;

2. Planseq para a Ride;

3. Atendimento das demandas de QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL dos municípios da RIDE;

4. Formatação do Protocolo de intenções a ser firmado entre as Secretarias de Trabalho do DF, Goiás, e Minas;

5. Criação do Fórum Regional do Trabalho, Emprego e Renda da RIDE;

6. criação da CPU da RIDE com a gestão da Secretaria de Goiás em parceria com a SETRAB - poderia abrir uma Agência do Trabalhador em cada Município da RIDE.

7. Ampliação do microcrédito para a RIDE, com foco na geração de emprego e renda na própria cidade.8. Elaboração da Pesquisa de Emprego e DESEMPREGO para a RIDE (PED/RIDE) pelo Dieese.

9. Implantação da carteira de Trabalho digital (informatizada).

10. Elaboração de proposta de criação do Fundo de Desenvolvimento da RIDE, paradescentralização dos fundos do FCO. Levar essa demanda para o Ministério de Integração Nacional.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ADMITE-SE.COM.BR

01/04/2010 - Vagas para trabalhar perto de casa aumentam no DF

Correio Braziliense

01/04/2010 10:23

Pesquisa do Dieese revela que foram criadas 7 mil vagas em fevereiro. As oportunidades deixaram de ficar concentradas no Plano Piloto e estão pulverizadas pelas cidades do DF,

Há uma descentralização dos nvestimentos. O emprego não se concentra mais somente na região central de Brasília". RODRIGO DELMASSO, secretário de Trabalho do DF

O emprego está mais perto de casa. Com o crescimento da oferta de vagas fora do Plano Piloto, moradores das regiões administrativas têm se deslocado menos para trabalhar. Aos poucos, as cidades do Distrito Federal se livram do estigma de satélites. Os números de fevereiro da Pesquisa de Emprego e DESEMPREGO (PED), divulgados ontem, mostram o aumento de oportunidades nas áreas de baixa renda, o que desacelera as migrações para a área central.

A taxa de DESEMPREGO no DF caiu de 14,7%, em janeiro, para 14,1% no mês passado. Entre os meses de fevereiro, o índice só não é menor do que o registrado no primeiro ano da série histórica, em 1992, quando o percentual ficou em 14%. Desde então, o melhor resultado foi em novembro de 1994: 12,9%, recorde que deve ser superado até o fim deste ano, de acordo com a previsão de técnicos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Diesse), que coordena a PED.

Em fevereiro, foram criados 7 mil postos de trabalho no DF, quase todos nas cidades de menor renda: Brazlândia, Ceilândia, Samambaia, Paranoá, São Sebastião, Santa Maria e Recanto das Emas. O número de desempregados chegou a 197 mil pessoas, 8 mil a menos do que em janeiro. A População Economicamente Ativa (PEA) se manteve estável - 2,145 milhões de pessoas - e o nível ocupacional subiu 0,6%, desempenho atípico para o período.

Os setores da atividade econômica que mais puxaram o aumento do emprego foram a indústria (6,8%) e a construção civil (4,7%). A taxa de ocupação no grupo que inclui serviços domésticos cresceu 3,7%. Não houve alteração nos números da administração pública. O comércio foi o único que reduziu a oferta de postos de trabalho (-1%), resultado explicado pelo fim do período de contratações temporárias em shoppings e comércio de rua.

Recuperação

Durante a divulgação dos dados, o economista do Diesse Tiago Oliveira acrescentou que o resultado observado no DF foi o melhor entre as regiões metropolitanas pesquisadas. "No DF, a indústria está recuperando mais rápido os postos de trabalho perdidos em 2009, por causa da crise, e a construção civil não para de contratar", justificou, antes de reforçar a queda no índice de DESEMPREGO nas cidades com menor poder aquisitivo, fato que ocorre desde março do ano passado.

Para o secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, a pesquisa indica que micro e pequenos empresários passaram a investir nas cidades onde vivem. "Há uma descentralização dos investimentos. O emprego não se concentra mais somente na região central de Brasília", comentou. "O bom disso é que um emprego gera outro. Existe um efeito multiplicador", emendou a coordenadora da PED, Adalgiza Lara.

Quem chega para abastecer em um posto na entrada do Recanto das Emas percebe a alegria da frentista Denise da Silva, 30 anos. Moradora da cidade, mãe de dois filhos, ela conseguiu a vaga há menos de uma semana. Vai ganhar R$ 744 por mês(1), após quase dois anos desempregada. "Já estava desesperada, pensando em vender salgado, fazer alguma coisa pra ganhar dinheiro", contou. "Quando penso que não, me chamam. Foi bom demais", completou.

Há mais de dois anos, o mestre de obras Francisco Alcides, 40 anos, não precisa sair de Samambaia, onde mora com a esposa e quatro filhos, para conseguir emprego. "Não falta obra por aqui. A cidade é uma das melhores para quem mexe com construção civil", disse. Esta semana, ele começou a reforma de um restaurante na Quadra 408. O trabalho deve durar 40 dias. "Não dá é pra ficar parado. Depois dessa, já tenho outras programadas", completou. Por mês, ele ganha entre R$ 800 e R$ 1,2 mil por mês.

1 - Renda estável

De acordo com os dados da PED, o rendimento médio real dos ocupados no DF permaneceu estável em janeiro (-0,1%) e foi estimado em R$ 1.832. O rendimento médio real dos assalariados recuou 0,6%, correspondendo a R$ 2.076. Os números referentes a fevereiro serão divulgados em março.

RECANTO DAS EMAS GANHA AGÊNCIA

A Secretaria de Trabalho inaugurou ontem a nova sede da Agência do Trabalhador no Recanto das Emas, localizada na avenida que leva o nome da cidade, Quadra 205, lotes 1 e 2. "Quando assumi a agência, em 2006, só tínhamos um computador. Agora, vamos ter 18, é a realização de um sonho", disse a coordenadora da unidade, Lúcia Aleixo. Ela acredita que o número de atendimentos - atualmente são 300 por dia - dobre após a inauguração. Ontem, a Secretaria fechou convênio com o Instituto Fecomércio, que permitirá o ingresso de jovens e adolescentes em programas de estágio.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ALÔ BRASÍLIA ONLINE - DF

DISTRITO FEDERAL

Menos desempregados em 2009

31/01/2010 13h23

Foram criados 41 mil novos postos de trabalho, 4 mil a mais que o necessário para atender todo o PEA do DF que, no ano passado, chegou a 37 mil pessoas

Allan Costa

alan.costa@jornalalobrasilia.com.br

O índice de DESEMPREGO no Distrito Federal foi reduzido em 2009. De 16,6% em 2008 foi para 15,8% no ano passado - sendo considerada a menor taxa dos últimos 14 anos. A queda na taxa do ano passado foi influenciada pela criação de novos postos de trabalho e também pelo crescimento da População Economicamente Ativa (PEA). Somente em 2009, o PEA passou para 37 mil pessoas e 41 mil novos postos de trabalho foram criados na capital. Ou seja, 4 mil vagas a mais que o necessário para acolher todo o PEA do DF.

De acordo com os dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socieconômicos (Dieese), da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e da Secretaria de Trabalho, a área que mais gerou emprego em 2009 foi a de serviços em geral - como marceneiro, carpinteiro, pedreiro, entre outros - registrando um aumento de 35 mil. Em seguida, o comércio, com aumento de 3 mil novos posto de trabalho.

No ano passado, o nível de ocupação no DF cresceu 3,7% - desempenho inferior ao verificado em 2008 quando a ocupação expandiu em 6,1%. Em 2009, o número de desempregados foi estimado em 218 mil pessoas e o de ocupados em 1.160 mil.

Segundo o secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, a expectativa é de que a taxa de DESEMPREGO este ano seja ainda menor. "O investimento do governo em infraestrutura e também a Copa do Mundo devem contribuir para isso. A Secretaria de Trabalho pretende injetar R$ 13 milhões na economia através do Banco do Povo", destacou.

O secretário ressaltou que as as regiões administrativas com menor poder aquisitivo tiveram uma diminuição na taxa de DESEMPREGO, e que a área que mais gerou emprego nessas cidades foi a construção civil. "Houve um crescimento no setor privado, principalmente na construção civil (5.1%), como em Samambaia e Recanto das Emas", finalizou.

Os salários também ficaram maiores - crescimento de 5,3%. No segmento privado, o número de empregos com carteira assinada cresceu 8,3%, e diminuiu os sem carteira (-2,0%). O rendimento médio real dos ocupados e dos assalariados, em 2009, cresceu 3,8% e 3,5%, respectivamente.

Da Redação do Jornal Alô Brasília
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
CLICABRASÍLIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

03/03/2010 - Banco do Povo entrega 116 cartas de crédito

Atualizado em: Quarta-feira, 03/03/2010 às 17:23:55

Nesta quarta-feira (3), a Secretaria de Trabalho (SETRAB) entregou 116 cartas de crédito do Banco do Povo, no valor de mais de R$ 800 mil. Esta foi à primeira remessa de empréstimo em 2010 e deverá impulsionar os negócios dos beneficiados.

De acordo com secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, o Banco do Povo tem o objetivo de ajudar na diminuição do DESEMPREGO no DF e consequentemente, retirar a população da informalidade. "Em um mês injetamos um recurso altíssimo na economia do DF e ajudamos centenas de famílias", disse.

"O programa é um sucesso e estamos crescendo cada vez mais. A prova é que nos postos de atendimento não estamos recebendo reclamações", acrescentou o subsecretário de ocupação e renda do GDF, Valtenir José de Souza

O programa, anteriormente conhecido como Negócio Legal, em 2009, distribuiu R$ 15,7 milhões para 2.084 contratos firmados. Agora como Banco Popular conta com 18 postos de atendimento. Segundo o subsecretário, os serviços serão ampliados, oferecendo maior formalização aos contratos. "Queremos ver as pessoas físicas se tornarem pessoas jurídicas ou abrir suas cooperativas. Assim veremos os negócios se desenvolverem", declarou o Souza.

De acordo com as novas regras do banco, as pessoas físicas poderão receber um crédito no valor máximo de até R$ 11 mil. Pessoas jurídicas terão até R$ 22 mil. Já as cooperativas poderão receber o beneficio de até R$ 56 mil.

Para Arenice Santos, 37 anos, receber o beneficio pela primeira vez vai ajudá-la a realizar o sonho de sair da informalidade. "Sempre vendi roupas nas casas, mas agora vou abri uma loja pequena e realizar meu sonho. Além disso, os juros são mais baixos que nos bancos, isso vai me ajudar muito", comemorou a nova empresária.

Projeto

O Banco do Povo tem uma linha de financiamento subsidiada pelo Fundo de Geração de Emprego e Renda (Funger), do GDF. A concessão é feita de forma fácil e rápida, com juros de 0,76% para investimento e 0,86% para capital de giro. Isso representa 6% de juros ao ano para aqueles que procuram a SETRAB em busca de ajuda para montar ou ampliar o próprio negócio.

Para obter o financiamento a pessoa tem que residir no DF há mais de três anos, ter experiência na atividade que executa há mais de seis meses, não ter restrição no Sistema de Proteção ao Crédito (SPC) e apresentar um avalista com renda superior a três vezes o valor da parcela.

Fonte: Agência Brasília
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
TRIBUNA DO BRASIL - DF

GRANDE BRASÍLIA

23/12/2009 - Desemprego cai em Brasília

BIANCA CINOBELINO

O Distrito Federal apresentou em novembro a menor taxa de DESEMPREGO dos últimos 15 anos. De acordo com a Pesquisa de Emprego e DESEMPREGO do Distrito Federal (PED) divulgada na manhã de ontem, no Centro Administrativo, o Buritinga, os resultados dos demais anos referentes ao mesmo mês apresentavam índices superiores ao de 2009.

O Secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, atribui os números positivos aos programas assistenciais da secretaria. "A descentralização dos postos de Trabalho do Plano Piloto deu a oportunidade para a classe mais baixa conquistar uma oportunidade de emprego mais perto de casa", analisa. Para ele, a criação de postos em outras cidades deve-se a um tripé de valores. "Isso é fruto de políticas econômicas, investimento para aumentar a infra-estrutura das regiões mais carentes e a construção de polos econômicos", enumera.

O aumento do investimento privado na capital, de 5,9% a mais que no mesmo mês do ano passado, também superou as expectativas dos técnicos. "O setor privado deu uma contribuição robusta para a diminuição da taxa de DESEMPREGO", ressalta o secretário de Trabalho.

A atividade que mais contratou em 2009 foi a da construção civil. "O crescimento mais significativo vem do ramo da construção civil. Atualmente, o setor passa por um dinamismo interessante", revela o técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e do PED, Tiago Oliveira. "Com isso acaba a história de que Brasília tem tudo centralizado no Plano Piloto e sobrevive apenas de funcionalismo público", disse RODRIGO DELMASSO.

A pesquisa mostras que o índice de trabalhadores com carteira assinada aumentou em relação ao mesmo mês de 2008. "Demonstra uma formalização maior das relações de trabalho", disse o secretário.

Portal do empregador

Além da pesquisa, a Secretaria de Trabalho divulgou uma ferramenta pioneira para estreitar as relações entre empregado e empregador. Pelo portal da secretaria, a empresa cadastra seus dados gratuitamente e identifica o perfil do possível contratante.

O trabalhador entra no mesmo site e procura uma vaga adequada para o seu perfil. "O serviço facilita a vida do empresário, que não terá custo nenhum para localizar novos funcionários", observa Delmasso.

A iniciativa será adotada em breve em outros estados, como Santa Catarina, Rio de Janeiro e Roraima. Para buscar emprego pelo portal é necessário que se esteja cadastrado no Posto do Trabalho. "A internet servirá para desafogar o fluxo nas agências. A pessoa vai ao posto somente para se cadastrar e pegar a carta de entrevista. A procura pelas oportunidades será pela internet", disse Delmasso.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
jORNAL DA COMUNIDADE - DF

ECONOMIA

20/02/2010 - Brasília registra recorde na geração de emprego

No mês de janeiro, a capital apresentou o maior número de empregos gerados desde 1992, quando foi criada a pesquisa de emprego e DESEMPREGO regional. Dado reflete a expansão da atividade econômica, puxada pelos setores da construção civil e comércio

SHEILA OLIVEIRA

spereira@jornaldacomunidade.com.br Redação Jornal da Comunidade

Segundo RODRIGO DELMASSO, a Secretaria do Trabalho do DF já havia previsto dados de geração de empregoO primeiro mês do ano registrou saldo positivo na criação de empregos em todo o país e também no Distrito Federal. De acordo com os dados divulgados pelo cadastro geral de empregados e desempregados (Caged), do MINISTÉRIO DO TRABALHO, mais de 3.550 vagas de empregos formais foram criadas na capital federal, maior índice histórico regional desde 1992.

O resultado equivale a um crescimento de 0,57% em relação ao mês de dezembro de 2009. Se somarmos esse índice aos que foram registrados em outros estados, concluiremos que o Brasil apresentou alta de 0,55% e em números reais gerou mais de 180 mil postos, superando assim o recorde de janeiro de 2008, em que foram criadas mais de 142 mil vagas. Com isso, o país deixou para trás, definitivamente, os resquícios da crise econômica mundial. No mesmo mês do ano passado foram abertas 101 mil novas oportunidades de trabalho.

Os dados divulgados nesta semana surpreenderam até mesmo o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, que esperava a criação de 100 mil postos. Quadro mais que favorável da retomada da economia, alavancado principalmente pelos setores da indústria, construção civil e serviços. No DF, o destaque ficou por conta do comércio, que proporcionou 2.520 vagas e do setor da construção civil, que acrescentou 468 postos à economia brasiliense.

Para o secretário do Trabalho do DF, RODRIGO DELMASSO, os resultados divulgados pelo Caged refletem a atual expansão econômica brasiliense. "A Secretaria de Trabalho já havia previsto esses dados por meio da pesquisa de emprego e DESEMPREGO no Distrito Federal, que realizamos no mês de janeiro e que será divulgada na próxima semana. Assim como o Caged, a pesquisa da secretaria revelou que o setor que mais tem crescido é o da construção civil. Isso ocorre por causa dos investimentos públicos na melhoria da infraestrutura para a população e pela expansão imobiliária que tem acontecido no DF", afirma.

Construção Civil

Mas não foi só no Distrito Federal que a construção civil se destacou. Em todo o país o setor foi responsável pela maior taxa de criação de empregos formais, destacando-se com 54.330 postos. Na contramão do crescimento regional, o setor nacional do comércio foi o único a apresentar redução nos índices de geração de emprego, fechando o mês de janeiro com déficit de 6.787 postos. O dado nacional reflete o término do ciclo sazonal do final do ano, época em que muitos brasileiros são contratados como trabalhadores temporários.

No entanto, para o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, esse dado não interfere na expectativa de crescimento do país. Segundo Lupi, para o ano de 2010 a expectativa é de criação de mais de dois milhões de postos de trabalho. "Todos os setores estão apresentando crescimento homogêneo e contínuo. O crescimento da renda acima da inflação faz com que todos os setores cresçam. Quanto maior a renda, maior o consumo e maior o número de empregos gerados", sugere Carlos Lupi.

Seguindo a lógica dos 12 últimos meses, a economia do Distrito Federal deve acompanhar a retomada da economia do país, que registrou 1.278.277 postos de trabalho. Nesse mesmo período, a economia brasiliense registrou a criação de 21.151 vagas, considerado o melhor resultado da região Centro-Oeste, de acordo com o cadastro geral de empregados e desempregados, do MTE.

"Esperamos que a previsão do MINISTÉRIO DO TRABALHO seja superada no Distrito Federal. No ano passado tivemos um saldo extremamente positivo. Neste ano de 2010, com as obras públicas em andamento e com o aquecimento da economia, nossa previsão é de que vamos alcançar o menor índice de DESEMPREGO desde que a pesquisa de emprego e DESEMPREGO foi criada, em 1992, o que equivale a 18 anos. Isso seria o presente que os setores produtivos estariam dando para Brasília", aposta o secretário do TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL, RODRIGO DELMASSO.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
TRIBUNA DO BRASIL - DF

GRANDE BRASÍLIA

05/03/2010 - Trabalho domiciliar em alta

Sulamita Rosa

Em comemoração ao dia internacional da mulher, próximo dia 8, a Secretaria de TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL (SETRAB-DF) realizou a Pesquisa de Emprego e DESEMPREGO (PED) direcionada para a atuação das mulheres no mercado de trabalho doméstico de 2000 em relação a 2009. As estatísticas e dados coletados mostraram que 47,6% das mulheres brasilienses estão ativas no mercado de trabalho do DF e que o serviço doméstico continua sendo a porta de inserção para o mercado de trabalho.

A pesquisa foi realizada pela Secretaria do Trabalho do DF, em parceria com o MINISTÉRIO DO TRABALHO e do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A divulgação da pesquisa foi realizada ontem, no Centro Administrativo Buritinga e teve a presença do secretario de trabalho, RODRIGO DELMASSO, da coordenadora da PED, Adalgiza Lara e do economista do Dieese, Rodrigo Oliveira.

Segundo o estudo, o maior posto de trabalho ocupado pelas mulheres é nos serviços domésticos com 17%, seguido do comércio 14,4% e da indústria com 3,3%. A PED também constatou que 95% dos serviços domésticos são realizados por mulheres, considerando como serviços domésticos, qualquer trabalho realizado em domicilio classificados como cozinheiras, babás, motoristas, vigias, lavandeiras, caseiros, acompanhante de idosos, entre outros.

"Constatamos que aqui no Distrito Federal homens e mulheres atuam igualmente no mercado de trabalho, meio a meio. No entanto, as atividades nos serviços domésticos é um setor eminentemente feminino", disse Tiago Oliveira, economista do Dieese.

De acordo com a pesquisa de 2000 para 2009 houve um aumento das mulheres chefes de família nos serviços domésticos, com 17,8% para 27,2% respectivamente. Mas, as jovens de 18 a 24 anos em 2009 deixaram de se interessar pelos serviços domésticos, preferindo outras atividades profissionais. Em 2000 31,7% atuavam na área, já em 2009 apenas 14,4% procuravam o serviço. A faixa predominante é de 25 a 39 anos com 44,7%. Nesse contexto também houve a inserção das mulheres mais maduras de 50 a 59 anos com 8,4%, que em 2000 não atuavam no mercado.

Segundo o economista, esse fator está relacionado principalmente pelo nível de escolaridade que vem crescendo nos últimos anos. "As jovens passaram a ter um nível maior de escolaridade nos últimos anos, por isso houve menos interesse pelo serviço e aumento de mulheres mais experientes, por terem um nível de escolaridade mais baixo", explica.

Dentro do quadro de escolaridade, houve um aumento significativo de mulheres com ensino médio completo e superior incompleto de 20,5% para 24,6, requisitadas em serviços que exigem grau mais elevado como o de acompanhamentos para idosos. A tabela também mostra que caiu o número de analfabetas de 71,7% para 50,8%, ou seja, o serviço doméstico está cada vez mais exigindo grau de escolaridade.

A PED também mostrou que o número de empregadas domésticas diaristas aumentou, a pesar do trabalho não ser com carteira assinada. Segundo Adalgiza Lara, coordenadora da PED houve um crescimento de 80% das diaristas no DF. Contudo, no requisito das trabalhadoras com registro em carteira de trabalho aumentou de 31,3% em 2000 para 43,6% em 2009.

"As diaristas não trabalham todos os dias e ganham mais por hora. Como a maioria das domésticas são chefes de família, existe a preferência por esse trabalho, principalmente por causa do tempo. Essas mulheres preferem o trabalho para ter mais tempo para se dedicarem a família", declara.

Outro ponto observado na pesquisa, é que em relação a raça, os dados mostraram que nos setores de indústria e comércio a participação do trabalho das mulheres negras em relação as não-negra é igual, já no setor de serviços domésticos a predominância é para as mulheres negras com 21,3% comparada as não-negras cerca de 9,1%.

A PED foi realizada em mais seis Estados brasileiros, entre eles Porto Alegre, São Paulo, Recife, Fortaleza, Belo Horizonte e Salvador. Onde as maiores proporções de mulheres nos serviços domésticos foram em Fortaleza e Recife com 18,3% em cada uma das regiões e a menor em Porto Alegre com 13%. Brasília fica em quarto lugar com 17% de mulheres atuantes nesse mercado.

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL para domésticas

Durante a divulgação da Pesquisa de Emprego e DESEMPREGO do DF, o secretario de trabalho RODRIGO DELMASSO informou que a Secretaria de Trabalho estuda o Plano de Qualificação do Serviço Doméstico para ser realizado ainda esse ano.

O programa irá capacitar as mulheres com cursos profissionalizantes voltados para os serviços de casa. As inscrições ainda serão divulgadas e poderão ser feitas em uma das 17 Agências do Trabalhador.

"Vamos promover e incentivar a elevação da escolaridade nos moldes do Projovem, uma pesquisa que será realizada até o final do mês de abril. O programa irá oferecer cursos gratuitos para essas mulheres em uma campanha de formalização para domésticas, um beneficio que não é só importante para as trabalhadoras, mas, também para o empregador", anunciou o secretario .

Segundo ele, o trabalho doméstico em Brasília está crescendo gradativamente. "Atualmente temos 150 vagas disponíveis para domésticas nas Agências do Trabalhador. Esse crescimento reflete principalmente na implantação da carteira assinada, pois o estado contribui cada vez mais para a valorização dessas mulheres", revela.

A Secretaria do Trabalho também planeja realizar um curso para capacitar 300 mulheres desempregadas na área de telemarketing. Projeto que será realizado ainda esse ano.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
TRIBUNA DO BRASIL - DF

GRANDE BRASÍLIA


Trabalhador de casa nova

Sulamita Rosa

A Agência do Trabalhador da Secretaria de TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL (SETRAB) ganhou uma nova unidade que servirá de modelo para as outras 17 unidades do Distrito Federal. A nova agência, agora localizada na área comercial da quadra 205, foi inaugurada ontem, pelo secretario do trabalho RODRIGO DELMASSO e pelo presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomercio-DF), o senador Adelmir Santana.

A unidade possui seis balcões de atendimento e seis guichês para emissão de carteira de trabalho além de nove funcionários para receber estudantes e trabalhadores em busca de emprego. A Agência irá promover orientação e encaminhamento para o mercado, atualização e divulgação de vagas de emprego, cursos de capacitação profissional, realização de programas de estágios, palestras, trabalhos educativos, promoção de eventos e oferecer cursos diversos além de crédito para pequenos e micro empresários por meio do Banco do Povo.

Para a dona de casa, Anatércia Rodrigues de Andrade, 36 anos, o serviço perto de casa é uma porta aberta para o ingresso no mercado de trabalho. "Vim para entregar o meu currículo. Eu nunca trabalhei com carteira assinada por que é muito difícil, só faço uns bicos de vez em quando. É a primeira vez que procuro a agência, acho que é uma oportunidade, tomara que dê certo", afirmou.

Além de encaminhar a população para o mercado de trabalho e divulgar vagas de emprego no DF, a Agência do Trabalhador contará com o apoio da Fecomercio para intermediar o contato de estudantes com o empresariado para a promoção de estágios. "Esse é o papel da Fecomercio, ser um agente de integração para a intermediação dos estudantes com o empresariado, uma intermediação entre a escola e a empresa", explicou o presidente da Fecomercio, Aldemir Santana. "Os estudantes entram com seus perfis e as empresas entram solicitando o perfil do estagiário. Esses jovens são importantes para o empresariado e eles precisam passar pelas empresas. A empresa ajuda os jovens e também é ajudada por eles que estão sempre atualizados", completou.

Atualmente, o Distrito Federal conta com 17 unidades da Agência do Trabalhador. "A nova unidade da agência do trabalhador no Recanto das Emas é a realização de um sonho para todos os gerentes das agências é o resultado de muita luta e trabalho. Essa será uma agência modelo. Aqui os trabalhadores podem se sentir em casa", disse o secretario de trabalho, Rodrigo Delmaso

Na ocasião Delmasso, assinou documento para a implantação de outras unidades em Sobradinho II, Estrutural, Arapoanga em Planaltina, Riacho Fundo e três unidades em Ceilândia no setor P Norte e nos condomínios Sol Nascente e Por do Sol. Foram assinados também projetos para aprovação do crédito pré-aprovado para microempresários pelo Banco do Povo, programa para a inserção no mercado de trabalho para menores em conflito com a lei, programas de qualificação para os artesãos, motoboys, mototaxistas, servidores e produtores rurais.

DESEMPREGO É MENOR

Durante a inauguração da nova unidade da Agência do Trabalhador no Recanto das Emas, foi divulgada, pela Secretaria de Trabalho (SETRAB) e pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a Pesquisa de Emprego e DESEMPREGO (PED) no mês de fevereiro no Distrito Federal. Estudos apresentaram que o mercado de trabalho cresceu 0,6% no mês de fevereiro em relação ao mesmo período de 2009, com cerca de 4266 posto de trabalhos ocupados. O setor de construção civil apresentou o maior crescimento com 6,8% seguido pela indústria com 4,7%. Já o comércio diminuiu em 1% as ofertas de emprego.

De acordo com a PED, a taxa de DESEMPREGO total do DF variou de 14,7% em janeiro para 14,1% em fevereiro, ou seja, a menor taxa de DESEMPREGO desde 1992, ano de início da pesquisa. Só no mês de fevereiro a pesquisa mostrou que foram criados sete mil postos de trabalho, um decréscimo de oito mil desempregados.

A pesquisa revela que houve aumento de 2,2% em empregos com carteira de trabalho assinada. Por outro lado reduziram-se também o número de autônomos para 1,6% e empregados domésticos para cerca de 0,4%. No seguimento ocupação houve um crescimento de 0,7% no total de assalariados, aumento de postos de trabalho no setor privado com 1,4% e decréscimo no setor público com 1,1%.

Brasília apresentou o menor índice na taxa de DESEMPREGO que cresceu em Salvador, Recife e São Paulo e permaneceu estável em Belo Horizonte e Porto Alegre.Para o economista do Dieese, Tiago Oliveira, a taxa de DESEMPREGO no Distrito Federal tende a continuar caindo. "Esse cenário é distinto, mas, é a menor taxa alcançada nos últimos anos. Se for mantido esse crescimento, a taxa de DESEMPREGO irá cair até o final do ano. Esperamos novos sete mil postos de trabalho até o fim do ano. O Dieese realiza a mesma pesquisa em outras regiões e Brasília foi a única região onde houve crescimento apresentando o melhor resultado", analisou o economista.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
JORNAL DE BRASILIA - DF

CIDADES

116 cartas de crédito entregues (Curtas)

A Secretaria de Trabalho (SETRAB) entregou 116 cartas de crédito do Banco do Povo, no valor de mais de R$ 800 mil, ontem. Esta foi à primeira remessa de empréstimo em 2010 e deverá impulsionar os negócios dos beneficiados. De acordo com secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, o Banco do Povo tem o objetivo de ajudar na diminuição do DESEMPREGO no DF.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
TRIBUNA DO BRASIL - DF

GRANDE BRASÍLIA

Secretaria de Trabalho do DF promove Fórum Regional

Em parceria com as secretarias de Cidadania e Trabalho de Goiás e a de Desenvolvimento Social de Minas Gerais, a Secretaria de TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL realizou ontem o I Fórum Regional do Trabalho. O evento foi realizado durante todo o dia no Centro de Eventos da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio.

O encontro teve como objetivo a institucionalização do Fórum Regional de Trabalho, Emprego e Renda da Região Integrada de Desenvolvimento do DF e Entorno (Ride) e a assinatura da Carta de Brasília. No documento constam as diretrizes básicas para a implementação, fomento e geração de emprego e renda na Ride em torno de quatro eixos fundamentais: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL, fomento ao microcrédito, formalização dos empreendedores individuais e desenvolvimento econômico regional.

Também foram debatidas questões como a unificação de políticas públicas de geração de emprego, trabalho e renda, e as demandas de QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL dos municípios da Ride. Foi apresentado ainda o projeto de Pesquisa de Emprego e DESEMPREGO (PED) para a região.

Entre os presentes estavam o secretário de Trabalho do DF, RODRIGO DELMASSO, e o secretário de Desenvolvimento do Centro-Oeste do Ministério da Integração Nacional, José Carlos Siqueira. Este lamentou que dos 17 prefeitos convidados apenas cinco compareceram ao encontro. Segundo ele, um dos motivos para ausência dos políticos se refere à falta de concretização das propostas apresentadas em encontros semelhantes.

"Este fórum não deve ficar apenas no campo das ideias ou das palavras. Todas as propostas aqui apresentadas precisam sair do papel e serem de fato executadas. É preciso lembrar que a geração de emprego e renda é boa para os trabalhadores e para a economia da região", enfatizou.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
CORREIO BRAZILIENSE - DF

CIDADES

26/01/2010

Alívio na via-crúcis

Desde ontem, desempregados contam com o tele-emprego, serviço da Secretaria de Trabalho do DF que informará aos cadastrados pelo celular onde há oferta de vagas

Daniel Brito

Nilma de Fátima Caixeta enfrentou uma hora e meia no ônibus, de Luziânia (GO) até a Agência do Trabalhador no Setor Comercial Sul (SCS), em busca de emprego. A técnica em enfermagem fez o cadastro dois anos atrás como auxiliar e recentemente o atualizou com o diploma do curso técnico. Há dois meses desempregada, foi até o Plano Piloto checar se havia uma vaga no mercado na qual pudesse se encaixar. A técnica em enfermagem Nilma gastou R$ 8,10 do apertado orçamento familiar para pagar as passagens. Passou uma hora na fila para descobrir que não seria hoje que arranjaria um emprego. Uma tremenda mão de obra para nada.

Assim como Nilma, 70% dos desempregados que vão a cada uma das 17 Agências do Trabalhador espalhadas pelo DF buscam a mesma informação. A mais movimentada delas, a do SCS, atende aproximadamente 400 pessoas por dia. A via-crúcis, contudo, foi amenizada. Ontem, às 7h, foi inaugurado o serviço de tele-emprego. A iniciativa da Secretaria de Trabalho do DF é inédita no país e dá ao interessado em ser reinserido no mercado de trabalho a oportunidade de verificar a existência de vagas pelo telefone.

É necessário fazer o cadastro em qualquer agência, com CPF, RG (Carteira Nacional de Habilitação também é permitida), Carteira de Trabalho, comprovantes de residência, escolaridade e habilidade específica. Depois disso, o interessado fica desobrigado a fazer a viagem de Nilma apenas para checar a existência de vagas. Basta ligar gratuitamente para a Central de Atendimento do GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL (GDF) no número 156, escolher a opção 1 e passar o número do CPF para que a atendente informe se existem postos disponíveis.

Se a resposta for positiva, é enviado automaticamente uma mensagem para o celular do interessado, reservando a vaga por 24 horas. O trabalhador tem que ir à agência mais próxima com o celular para comprovar a reserva e apanhar a carta de encaminhamento. Se perder o prazo, perde a vaga. "Ótima ideia, porque é péssimo para um desempregado gastar dinheiro com passagem de ônibus para ouvir um "não há vagas"", comemorou a técnica de enfermagem Nilma.

De acordo com o secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, o advento não vai gerar custos ao serviço. "Muitas vezes as pessoas esperavam uma hora na fila, agora vão passar dois minutos ao telefone para conferir. Pode ligar quantas vezes quiser", disse.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
TRIBUNA DO BRASIL - DF

23/12/2009

Setrab entrega mais 142 cartas de crédito

A Secretaria de Trabalho (SETRAB) entregou, nesta terça-feira (22), mais 142 cartas de crédito do programa Negócio Legal. Esta foi a última remessa de empréstimos do ano. O valor do benefício chegou a R$ 1.081.291, divido em parcelas que vão de R$ 100 a R$ 10 mil para pessoas físicas, R$ 22 mil para pessoa jurídica e R$ 50 mil para cooperativas. Em 2009, o programa distribuiu R$ 15,7 milhões para 2.084 contratos firmados.

O Negócio Legal é uma linha de financiamento subsidiada pelo Fundo de Geração de Emprego e Renda (Funger), do GDF. A concessão é feita de forma fácil e rápida, com juros de 0,76% para investimentos e 0,86% para capital de giro. Isso representa 6% de juros ao ano para aqueles que procuram a SETRAB em busca de ajuda para montar ou ampliar o próprio negócio. De acordo com secretário de Trabalho, RODRIGO DELMASSO, o programa favorece a formalização dos micro e pequenos empresários e ainda ajuda a criar novos postos de trabalho com carteira assinada. Segundo ele, para cada empréstimo há pelo menos três famílias (com três pessoas) envolvidas direta e indiretamente. Por isso, os cálculos da SETRAB são de que pelo menos 18,7 mil pessoas foram beneficiadas com a carta de crédito.

É o caso de Maria das Graças Nobrega, 52. Há dois anos ela pegou o primeiro empréstimo com o Negócio Legal, no valor de R$ 5 mil. De lá para cá, viu a empresa de enxovais crescer, saindo do quintal de casa para uma pequena sala comercial na cidade onde mora, em Santa Maria. "O negócio triplicou e ainda pude arrumar uma ocupação para a família. Ainda tenho fé de que podemos crescer mais", contou a microempresária, que renovou o empréstimo, agora no valor de R$ 10 mil.

Para obter o financiamento a pessoa tem que residir no DF há mais de três anos, ter experiência na atividade executada há mais de seis meses, não ter restrição no Sistema de Proteção ao Crédito (SPC) e apresentar avalista com renda superior a TRE vezes o valor da parcela.

Segundo Delmasso, o programa será ampliado em 2010 e passará a se chamar Banco do Povo. A expectativa é de que o número de pessoas beneficiadas diretamente passe de 18,7 mil para 50 mil. Além disso, a SETRAB espera aumentar o número de servidores que trabalham no projeto. Em 2009, os 2.084 contratos foram feitos por apenas 15 agentes em dois postos no DF - um em Taguatinga e outro no Plano Piloto. A quantidade de agentes deve subir para 65 e o número de postos chegará a 18.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário