terça-feira, 2 de julho de 2013

Autor vai retirar projeto sobre tratamento de homossexualidade

O líder do PT, deputado José Guimarães (CE), disse há pouco que o deputado João Campos (PSDB-GO) pretende retirar o projeto (PDC 234/11) que susta a resolução do Conselho de Psicologia que impede o tratamento da homossexualidade e pune o psicólogo que fizer declarações homofóbicas. A assessoria do deputado confirmou que ele vai pedir a retirada da proposta.

Guimarães disse que a assessoria da Mesa Diretora ainda analisa se é possível a retirada do projeto, que já foi aprovado pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias. "Se ele não for retirado, nós vamos derrubá-lo hoje ou amanhã", disse Guimarães. 

De acordo com o Regimento Interno da Câmara, somente o Plenário pode se pronunciar sobre a retirada de proposta que tem parecer favorável em comissão.

Em entrevista à Radio Câmara, nesta terça-feira, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos, confirmou que a proposta vai ser retirada. Ele disse que o deputado João Campos o procurou antes. Disse ainda que "é a coisa certa a ser feita, diante da repercussão que a proposta provocou".
Arquivo/ Alexandra Martins
Pastor Marco Feliciano
Feliciano: se proposta voltar na próxima legislatura,vai voltar com força total.
O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), apoiou a iniciativa do deputado João Campos (PSDB-GO) de retirar o projeto (PDC234/11) que permite aos psicólogos realizar o “tratamento das homossexualidades”. Um dos principais defensores da proposta, Feliciano disse que a votação se tornou inviável neste momento.
“Eu vejo a retirada com bons olhos. O João [Campos] falou comigo antes disso. Neste momento, a votação se tornou inviável, porque a mídia maculou o projeto. A grande mídia, os ativistas, botaram um nome nele que não tem nada a ver [“cura gay”]. Quando se fala em cura, é como se a pessoa estivesse doente. Neste momento, o projeto iria ser usado como uma cortina de fumaça por todas as manifestações que estão ocorrendo no País. Acho que não era viável deixar que isso acontecesse”, disse o deputado.
Volta na próxima legislatura
Feliciano acredita, entretanto, que o tema poderá voltar a ser debatido na próxima legislatura, em 2015. “Se ele voltar na próxima legislatura, vai voltar com força total. E deve voltar com a bancada evangélica dobrada. Aí nós vamos ter mais tempo para argumentar sobre ele, porque esse projeto ajuda as pessoas. O projeto dá à pessoa que está sofrendo a oportunidade de buscar ajuda, e do profissional, de ajudá-lo. Hoje, do jeito que está, a pessoa não pode ser ajudada”, afirmou.

A assessoria da Mesa Diretora analisa a retirada do projeto, que já foi aprovado pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias. De acordo com o Regimento Interno da Câmara, somente o Plenário pode se pronunciar sobre a retirada de proposta que tem parecer favorável em comissão.
Fonte: Agência Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário