terça-feira, 9 de abril de 2013

O pedófilo mora ao lado


( Walcyr Carrasco - jornalista)
Um amigo tem um filho de 13 anos. Para respeitar a privacidade do garoto, não monitora suas redes sociais. Um dia, entrou em seu Facebook. Não nas mensagens privadas, mas na página inicial. Surpreendeu-se com mensagens de um homem, do tipo: “Meu muleke, depois que você entrou na minha vida não pode sair mais...”. Surpreso, meu amigo buscou o perfil do sujeito. Boa parte de seus amigos era de meninos, meninas e adolescentes.
Inicialmente, o pai resolveu investigar. “Contato pessoal certamente eles não mantiveram ainda”, pensou. Tinha bons motivos para essa certeza. O garoto passava a maior parte do dia na escola e, quando saía, era quase sempre acompanhado pelo motorista. Imaginou tratar-se de uma abordagem via internet. Perigosa, sem dúvida. Ainda assim, menos próxima. Separado, cria os filhos sozinho. Que fazer? A adolescência é uma fase difícil. Temia o enfrentamento pessoal. Finalmente, o garoto pediu para, na sexta-feira, jogar futebol com “uns amigos”.
– Que amigos? – quis saber o pai.
– Ahhh... amigos! – respondeu o menino.
Meu amigo proibiu. O garoto ficou furioso. E se recusou a dizer o nome do autor do convite.
Chamou o motorista. Mostrou a foto.
– Hummm... acho que conheço.
Era o manobrista do estacionamento VIP do shopping. O motorista lembrou que, quando esperavam o carro, o sujeito sempre conversava com o garoto. E que havia falado, sim, em jogar futebol algum dia.
Foi um choque. Alguém tão perto, tão dentro do cotidiano. Num shopping luxuoso...
Foi uma difícil conversa entre pai e filho. No final, o pedófilo foi excluído do Facebook. Meu amigo está tomando as providências para a denúncia legal. Nesse caso, o pai teve até sorte. Talvez, devido à pouca familiaridade com as redes sociais, o sedutor deixava mensagens na página inicial, abertas a quem entrasse. Nem sempre é assim.

Surpreendi-me com o número de respostas. Nunca vou esquecer do caso de uma senhora do interior de Minas Gerais. Segundo me contou, foi violentada pelo irmão, já adulto, quando entrava na adolescência. Os pais viajaram e tinham, justamente, deixado a garota aos cuidados do mais velho. Assustada, ela guardou segredo por anos. Mesmo porque o irmão a ameaçava. Quando revelou tudo, ninguém tomou nenhuma atitude.
A internet tornou-se um playground para pedófilos. A abordagem, os passos para a sedução tornaram-se mais fáceis, porque é possível preservar a identidade. Mas é ingenuidade acreditar que nela está o maior perigo. Muitas vezes, as redes sociais ajudam a sedimentar um contato já estabelecido pessoalmente. A proximidade de um pedófilo é maior do que se pensa. Há algum tempo, sugeri a seguidores do Twitter que me contassem, em mensagens particulares, se haviam passado por algum tipo de abuso sexual.
– Não pareciam acreditar – disse ela.
Fica a dúvida. Duvidavam de fato ou era mais fácil não acreditar?
Casos parecidos foram muitos. Houve a garota abusada pelo vizinho casado, em São Paulo. O rapaz abordado pelo padre, em Mato Grosso do Sul. Outro, em Santa Catarina, foi continuamente estuprado pelo irmão, da infância à adolescência, e ameaçado de todas as formas para manter o silêncio. O abusado vive uma dupla violência: o ato em si e o medo em pedir socorro.
Histórias de famosos confirmam essa realidade. A apresentadora Xuxa, num depoimento comovente ao programa Fantástico, neste ano, contou sobre os vários abusos sexuais que sofreu até os 13 anos. Todos de homens próximos: um amigo do pai, o professor, o namorado de sua avó. A empresária Lucília Diniz também revelou ter sofrido abusos na infância, por alguém ligado à família. Em sã consciência, quem desconfiaria de pessoas tão íntimas?
Nos Estados Unidos, há uma paranoia a respeito de contatos físicos. Embora não seja o tema central do livro, em Assédio sexual, de Michael Crichton, o personagem central reflete, em certo momento, sobre a dificuldade em ter um gesto espontâneo de carinho. Abraçar ou beijar uma criança estranha pode redundar numa acusação. É paranoia, sim: aconselha-se, nos EUA, a nunca pegar o elevador sozinho com uma mulher. Se ela se rasgar e gritar, vem processo e cadeia. Mas certa dose de paranoia não faz mal a ninguém. Vivemos numa época, vantajosamente, em que situações nem sequer mencionadas no passado vêm à tona. O pedófilo mora ao lado e com frequência participa de nossa intimidade. É preciso ficar de olho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário