quinta-feira, 4 de abril de 2013

COMPETÊNCIA: FRUTO DAS NOSSAS ESCOLHAS – UM DEPOIMENTO

 
Decisão que muda as escolhas e influencia a vida ou como me tornei num homem dedicado a Deus e ao ser humano.

Comecei a trabalhar com 14 anos. O meu primeiro "emprego" foi um estágio no Ministério da Saúde, onde trabalhei como Help Desk. Concluí o ensino médio e fiquei desempregado. Dependíamos daquela renda, eu e minha mãe. Após ingresso na Faculdade, no curso de Tecnólogo em Processamento de Dados, com 18 anos, fui nomeado Assistente da Diretoria Executiva da Fundação Educacional do Distrito Federal - FEDF. Maria da Paz, minha madrasta, foi quem me ajudou naquela ocasião.
Tomei posse e fui encaminhado para o local onde iria trabalhar: Gabinete da Diretora-Executiva da FEDF, Maristela de Melo Neves, que tinha como regra receber e conversar com todos os servidores que fossem lotados lá. Fiquei apreensivo e pensei: "Será que ela vai me demitir, não sei nada na área pública?
Enfrentei o medo e entrei, ela se apresentou, pediu que me sentasse e me dirigiu uma pergunta: - Você está aqui para trabalhar ou para fazer número? Direta assim. Respondi com convicção: - Para trabalhar! Mas não sei nada da área pública!
Ela então me olhou firmemente pegou um livro me entregou e disse: - Então você vai aprender, estude esta Lei, vou colocar você para julgar os Processos Sindicantes e Administrativos Disciplinares da FEDF.
                Quando vi o livro, era a Lei 8.112/90, imediatamente pensei: Meu Deus!!!
Por causa dessa minha atitude: vencer o medo, fazer escolhas difíceis e enfrentar o desconhecido, recebi a oportunidade de aprender a ser um profissional humano, dedicado e respeitado, nos cargos por onde passei e um ser humano merecedor desse nome.
Por causa dessa oportunidade, mudei do curso da área de informática para o de Administração, pois pude perceber que o problema na área pública não estava somente na falta de recursos materiais e humanos, mas, também, na gestão desses recursos. Meus modelos foram as pessoas com as quais convivi e trabalhei. Elas sempre venciam as barreiras burocráticas para melhorar a qualidade do ensino do DF, por causa da competência na gestão pública.
Aprender a Julgar as pessoas com humanidade, equidade e justiça, em razão do cometimento de faltas leves e graves no curso do exercício profissional, foi o caminho firme para Deus, que me ajudava nas milhas tribulações, hoje sou pastor da Igreja Sara a Nossa Terra.
Agora, com 32 anos, vejo o quanto Deus foi bom comigo: fez-me seu seguidor incondicional, pelas bênçãos com a quais me cobriu, e possibilitou que fosse formado profissionalmente com a mentalidade de que os ocupantes de qualquer cargo público tem a missão de SERVIR a todos com competência, equidade, justiça e responsabilidade social. Seja no exercício de cargos públicos seja no exercício da liturgia da Igreja. Ensinamentos que não vieram por acaso, mas fruto de escolhas conscientes! 

Fonte: Rodrigo Delmasso

Nenhum comentário:

Postar um comentário