sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Má notícia: Consumidor pagará mais caro


A proposta prevê ainda uma faixa de isenção para as famílias que tiverem o consumo inferior a  80 kilowats. Com isso, cerca de 135 mil domicílios devem ser beneficiados, algo próximo a apenas 15% do total de residências do DF. Isso fará com que o GDF deixe de arrecadar mais de R$ 1,5 milhão em 2013. “Chega a ser absurdo esse projeto de lei do GDF, uma vez que vai contra os benefícios concedidos pelo governo federal. Sem falar que a parcela da população beneficiada com a iniciativa é mínima”, analisa o empresário Wendel Oliveira, 25 anos.
A redução de tarifas de luz anunciada pela presidenta Dilma Rousseff para os brasileiros, atingirá a conta de energia dos brasilienses, mas em menor percentual. Tudo graças à Câmara Legislativa do DF que aprovou, por unanimidade, na semana passada, o reajuste de 8% na taxa de Contribuição de Iluminação Pública (CIP) nas contas de energia das residências que consomem mais de 80 kilowats. O projeto de autoria do GDF teve um reajuste acima da inflação dos último 12 meses, que foi de 5,20%.
A previsão de arrecadação da Contribuição de Iluminação Pública, com o aumento de 8% em 2013, será de quase R$ 170 milhões, frente aos R$ 112 milhões que o GDF recebeu no ano passado. Ou seja, apesar da renúncia fiscal de quase R$ 1,5 milhão, o Executivo vai terá o incremento de quase R$ 50 milhões na sua receita no próximo ano.
De acordo com o projeto da Secretaria de Planejamento e do Gabinete do governador, os valores apresentados estão corrigidos em 8% relativos àqueles aplicados neste ano para atender as necessidades de manutenção, reposição, expansão, consumo do Parque de Iluminação Pública e relacionados aos projetos envolvendo a Copa do Mundo em 2014 e a Copa das confederações no próximo ano.
Em nota, a CEB informou que que a taxa é utilizada para o pagamento da energia elétrica consumida pelo parque de iluminação pública do Distrito Federal, para manutenção, melhoria e expansão da iluminação pública, não é utilizada, em momento algum, para infraestrutura de energia elétrica da CEB.
O texto informa ainda que cabe ao GDF a decisão de como a verba será aplicada. Segundo a autarquia, a contribuição de iluminação pública não aumenta a tarifa de energia. O aumentos na tarifa de energia é decidido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O jornal Alô Brasília procurou o secretário de Fazenda, Adonias Santiago,  para falar sobre o assunto, entretanto foi informado que ele viajou na tarde de ontem (26) a trabalho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário