terça-feira, 29 de março de 2011

ANP constata 9% de aumento no preço do álcool em Brasília e motoristas reclamam dos preços

Nos 79 postos pesquisados do Distrito Federal, pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a média de preço da gasolina passou de R$ 2,78 para R$ 2,93 nas últimas quatro semanas. O álcool subiu de R$ 2,24 para R$ 2,45, no mesmo período. O aumento dos dois combustíveis foi de 5,3% e 9,3%, respectivamente.


A pesquisa foi feita entre os dias 27 de fevereiro e 6 de março e incluiu tanto os postos do Plano Piloto, que é a zona central de Brasília, como de cidades satélites, entre elas Taguatinga, Samambaia e Guará.


Os motoristas do Distrito Federal reclamam dos aumentos e consideram os preços mais altos que os de outras cidades do país. O advogado André Luiz reclama que não existe alternativa para o uso do automóvel, já que, segundo ele, o transporte coletivo em Brasília não é satisfatório.


"O preço do combustível está chegando a um patamar absurdo, estamos chegando ao ponto que, daqui a alguns dias, a gente vai ter que parar de andar de automóvel. Uma alternativa não existe, uma vez que o transporte coletivo em Brasília é impossível, então vamos ter que suportar isso, de uma forma que onera tudo".


Para o motorista Wagner Martins, os preços dos combustíveis em Brasília são maiores que em outros estados. “Aqui em Brasília, a lógica seria as coisas serem mais baratas, mas, ao invés disso, acabamos pagando mais caro em relação ao restante do país".


O estudante Rodolfo Costa também diz que a capital federal tem os maiores preços e, para ele, isso é falta de mobilização da população. “A culpa também é nossa, pois nunca reivindicamos, não lutamos e não vamos atrás dos nossos direitos”.


Fonte: Agência Brasil

sexta-feira, 25 de março de 2011

Etanol deve subir 14,05% e litro passará a custar R$ 2,84 na próxima semana

Os consumidores brasilienses deverão passar a comprar o litro de álcool por R$ 2,84 na próxima semana. Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Automotivos e de Lubrificantes (Sindcombustíveis) do Distrito Federal, a alta de R$ 0,35 no preço do combústivel, um reajuste de 14,05%, é consequência do novo valor cobrado pelas distribuidoras, que até quarta-feira (23/3) vendiam o produto aos postos por R$ 2,12. Esse é o terceiro aumento em 15 dias.
Segundo o diretor da Rede Gasol, Antônio Matias, dono de 91 dos 320 postos do DF, o acréscimo deverá ser repassado aos brasilienses no início da próxima semana, quando acabarem os estoques formados com os valores antigos. “Passaremos o aumento integralmente ao consumidor”, garante. Ele destaca, porém, que ainda não é possível afirmar se a alta do combustível também afetará o preço da gasolina.
Para Matias, o aumento é absurdo e desestabiliza o setor, já que etanol e gasolina comum custarão valores semelhantes. Após o aumento de terça-feira (22/3), o litro da gasolina passou a ser vendido a R$ 2,87 na maioria dos postos. “É uma covardia porque é um produto do nosso país”, destacou.
O presidente do Sindcombustíveis-DF, José Carlos Ulhôa Fonseca, lamentou, em nota, o recente aumento do etanol por parte das usinas. Segundo ele, esse é o oitavo do ano. Fonseca destacou que, apesar de o governo ter anunciado recentemente medidas para minimizar esse efeito colateral do período de entressafra da cana-de-açúcar (matéria-prima do etanol), não existem políticas públicas que regulem e amparem o setor.
“O que se vê é a necessidade, repetimos, de organização do setor sucroalcooleiro, adotando de fato políticas, a fim de evitar que a sociedade pague o preço dessa omissão”, afirma Fonseca.

Fonte: CorreioWeb

quinta-feira, 24 de março de 2011

Pasta-base do crack vinda da Bolívia é refinada no Entorno do DF

A droga consumida no Distrito Federal é uma das mais perigosas entre as distribuídas no país. Uma análise feita pela Secretaria de Segurança Pública do DF revelou que a cocaína e o crack que chegam às ruas da capital do país vêm da Bolívia, onde o refino da pasta- base chega a usar até solução de bateria de carro. As investigações mostraram que a droga passa por Mato Grosso e é refinada no Entorno, sendo então vendida em Brasília. Com o perfil da rota já traçado, agora as autoridades pretendem identificar os chefes do tráfico e os pontos de distribuição no DF.

Até então, a polícia do Distrito Federal acreditava que a droga que entra na região seria boliviana, mas o centro de distribuição seria São Paulo. No entanto, a partir do momento em que foi feito o Perfil Químico (Pequi), os resultados surgidos foram outros. “Nós decidimos fazer o DNA da droga e constatamos que ela é proveniente de Mato Grosso e o crack que chega a Brasília é fabricado em laboratórios em Goiás”, afirma o secretário de Segurança do DF, Daniel Lorenz de Azevedo. Para fazer chegar à região, o narcotráfico usa várias rotas, mas a principal é por via terrestre.

Lorenz confirma que o levantamento do perfil do crack distribuído no Distrito Federal ajudará na identificação de traficantes e distribuidores da droga. Isso se dá com a análise dos produtos químicos usados não apenas no refino, mas também durante o “batismo”, onde outras substâncias são adicionadas para dar mais volume ao pó. Um quilo de pasta-base de cocaína — o subproduto também dá origem às pedras de crack — pode render até mais quatro quilos. Muitas vezes a mistura já é feita nos laboratórios bolivianos, mas quando chegam ao Brasil são novamente manuseados e acrescidos de novos produtos.

Nos dois últimos anos, a Polícia Federal (PF) identificou que o tráfico de drogas não estava mais centralizado em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, no Centro-Oeste, ou nos estados do Norte do país. Em agosto de 2009, o Correio publicou uma série de reportagens sobre o assunto, depois da descoberta de pistas clandestinas no interior do estado. Meses depois, um avião com mais de 150 quilos de cocaína quase foi abatido por uma caça Supertucano da Força Aérea Brasileira (FAB) e fez um pouso forçado em Luziânia.

A cocaína oriunda da Bolívia é uma das piores entre os três países produtores — os outros dois são Peru e Colômbia. Isso porque o refino é feito com substâncias alternativas. Os produtos químicos, como acetona, éter e ácido clorídrico, que ironicamente eram exportados pelo Brasil, foram substituídos por cal, cimento, solução de bateria de carro, querosene, gasolina e até hormônio para a engorda de gado. Quando ela chega aos laboratórios rústicos em Goiás, a droga sofre novas transformações, tornando-se cada vez mais perigosa não apenas pelo teor alucinógeno, mas também pelas substâncias misturadas ao pó.

Eixo Brasília-Goiânia
O secretário de Segurança do DF ressalta que a proximidade e a proliferação dos locais de refino fizeram aumentar o consumo não apenas em Brasília e no Entorno, mas também em Goiânia. “Em qualquer lugar dá para montar um laboratório rústico”, afirma Lorenz. Os produtos químicos também podem ser facilmente substituídos por outros alternativos. Nos últimos anos, as polícias Civil e Federal têm observado uma maior circulação das pedras de crack na região. Muitas, vindas diretamente da Bolívia, que anteriormente só negociava com a pasta-base.

O Pequi foi desenvolvido pela Polícia Federal e as análises podem, ainda, mostrar as condições de transporte — o que permite levantar as possíveis rotas por onde a droga passou — e, finalmente, o grau de pureza do pó. Todas as informações são cruzadas com investigações em andamento e isso possibilita obter prováveis conexões entre quadrilhas e fornecedores. Além do Distrito Federal, o teste só pode ser feito no Amazonas, no Acre, em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná, estados que fazem fronteira com a Bolívia.

Crack do DF é traficado pelo PCC

Por trás de todo o planejamento da Segurança Pública do Distrito Federal no combate ao crack esconde-se uma preocupação dividida por agentes, delegados e pelo secretário de Segurança, Daniel Lorenz. Divisões de inteligência levantaram a hipótese de as pedras que são consumidas no DF terem sido enviadas de São Paulo, por integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

A possibilidade foi considerada alarmante por Lorenz, já que a organização criminosa tem poder de fogo suficiente para abastecer todas as cracolândias espalhadas por São Paulo. A dúvida foi somada à informação de que os traficantes do Rio de Janeiro – outra grande cidade onde o tráfico de drogas é intenso – rejeitam a venda do crack, que reduz consideravelmente a vida do usuário, fazendo com que as quadrilhas cariocas sofram com a perda de usuários. O DF, então, teria se tornado um mercado promissor para a organização criminosa paulista.

Fonte: CorreioWeb e ClicaBrasília

quarta-feira, 23 de março de 2011

Descaso com a Juventude: GDF aplicou apenas 13% da verba prevista para a juventude em 2010

A má utilização dos recursos públicos prejudicou a implantação e o andamento de programas voltados à criança e ao adolescente do Distrito Federal. Levantamento elaborado pela Promotoria de Defesa da Infância e da Juventude do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) mostra que, do total previsto no Orçamento Criança e Adolescente (Oca) em 2010, apenas 13% foram aplicados. Dos R$ 2,4 bilhões aprovados, R$ 311,2 milhões foram gastos em ações que poderiam mudar, de forma direta ou indireta, a vida de muitos jovens brasilienses. O restante foi utilizado em programas de menor expressão ou permanecem intocados. O futuro é desanimador. Para este ano, foram reservados R$ 1,427 bilhão para a área— R$1 bilhão a menos em comparação com o ano passado, podendo aumentar graças a créditos suplementares.

Segundo nota técnica do MP, das 90 ações previstas no ano passado, 29 ficaram sem repasse. Os R$ 422 mil destinados à Coordenação dos Conselhos Tutelares (Cata), por exemplo, não foram executados. A construção das unidades de educação infantil em São Sebastião, em Brazlândia, no Riacho Fundo 1 e no Varjão não saiu do papel. Os R$ 15 milhões de dotação inicial permaneceram intactos. O Projeto Cidadão do Amanhã, referente ao serviço de convivência para crianças e adolescentes de 9 a 18 anos, nem sequer recebeu os R$ 6,9 milhões autorizados. Alguns valores encaminhados para programas específicos não foram totalmente utilizados. A construção de novos Centros de Atenção Psicossocial — Álcool e Droga (Caps-AD) tinha R$ 2,3 milhões disponíveis, mas apenas R$ 1,6 milhão foram investidos.

Situação ruim
Os conselhos tutelares receberam R$ 2 milhões para aquisição de material, manutenção e funcionamento das 33 unidades. Apesar disso, as condições ainda são precárias na maioria deles. Faltam carro, telefone, funcionário e espaço. O MP alerta que o volume de execuções no segundo semestre do ano leva a “questionar a qualidade do gasto realizado nos últimos meses do ano”. “Quem conhece um pouco da administração pública sabe que em dezembro ocorre uma ‘corrida’ para empenhar aquilo que ficou para trás. O não investimento na educação e na saúde das crianças e dos adolescentes implica  maiores gastos em medidas socioeducativas no futuro”, ressalta a promotoria. O valor empenhado em medidas, como a manutenção do Centro de Atendimento Juvenil Especializado (Caje), em 2010, ultrapassou os R$ 15 milhões.

O secretário da Juventude, Fernando Nascimento, diz que recebeu uma “herança ruim” do governo anterior. “As políticas de juventude eram voltadas para a segurança pública. E quem cuidava desses assuntos eram delegados e policiais. Os programas sociais não contaram com investimentos. A ideia é utilizar todos os recursos previstos para este ano”, garantiu.


Situação precária
Em maio do ano passado, o Correio expôs a precariedade dos conselhos tutelares. Apesar de o governo local ter triplicado a quantidade de unidades — de 10 para 33, em 2009 — não havia medidas práticas para melhorar e garantir o funcionamento adequado dos conselhos. Um diagnóstico elaborado em fevereiro do ano passado, numa parceria entre representantes do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), do GDF e dos conselhos tutelares, mostrou que algumas unidades estavam sem telefone e precisavam dividir carro com outras para realizar os atendimentos. Funcionários trabalhavam em locais alugados e sem privacidade para os jovens. Muitos casos não conseguiam ser resolvidos e apurados por falta de identificação dos funcionários e segurança. 

Fonte: CorreioWeb

terça-feira, 22 de março de 2011

Vídeos engraçados: Quando o bafômetro é dispensável

 





Dia Mundial da Água: consumo consciente ajuda a reduzir a conta no fim do mês

Para algumas pessoas, dizer que a água vai acabar soa algo apocalíptico. Porém, é preciso entender que isso não significa que os mananciais vão secar, mas à medida que os rios vão ficando cada vez mais poluídos, é maior a necessidade de “potalização”, ou seja, de tornar a água própria para consumo.
O problema é que esse processo custa dinheiro, exigindo investimentos pesados dos governos, que serão repassados para o consumidor por meio da cobrança mais cara da água e até do fornecimento restrito.
Por conta disso, o consumo consciente desse recurso natural e finito é essencial para o bem-estar da Natureza e da sociedade. Assim, no Dia Mundial da Água, comemorado nesta terça-feira (22), conheça algumas mudanças que você pode adotar no seu cotidiano, reduzindo a conta no fim do mês!
1. Banho rápido e cidade abastecida De acordo com cálculos feitos pelo Instituto Akatu, se a metade dos 100 mil habitantes de uma cidade diminuísse o tempo do banho de 15 para 5 minutos, a água economizada em um ano seria suficiente para abastecer todos os moradores desse mesmo município durante cerca de sete meses.
Um dos benefícios dessa medida é que evita mais investimentos do Governo, que pode usar esse dinheiro para outros fins, como, por exemplo, educação e saúde.
2. Dentes limpos com a torneira fechada Se os moradores de Recife (1,5 milhão) escovassem os dentes três vezes ao dia com a torneira fechada, o líquido economizado em dois dias conseguiria abastecer todas as necessidades de água de um dia dos 397 mil moradores de Florianópolis.
As pessoas costumam pensar que fazer a sua parte não faz diferença, se os vizinhos não fizerem a deles. Mas isso não é verdade. Pegando o mesmo exemplo: se uma única pessoa sempre fechar a torneira nas três vezes que escovar o dente no dia, durante 73 anos, vai economizar quase 1 milhão de litros de água!
3. Bacia cheia d’água para lavar louça Ao lavar pratos, talheres, copos e panelas, utilize uma bacia cheia d'água para ensaboar a louça, só abrindo a torneira para o enxágue.
Se cinco famílias reduzirem o tempo da torneira ligada de 15 para 5 minutos nas três vezes que lavam louça no dia, durante vinte anos, seriam poupados 17,5 milhões de litros de água. A quantia é suficiente para suprir todas as necessidades de água de cinco pessoas durante toda a vida.
4. Da máquina de lavar roupa para a calçada! Uma máquina de lavar roupa com capacidade de 5 quilogramas usa 135 litros de água por lavagem. Se uma família usá-la duas vezes na semana, gastará 270 litros de água.
O que pouca gente conhece é que parte desse total, ao sair do enxágue, pode ser usada em outros pontos da casa que não precisam de água totalmente limpa, como a lavagem da calçada da sua casa. Se você fizer isso uma vez na semana, poupará 14 mil litros de água por ano.
Outra possbilidade é usar essa água para lavar motos e carros. Caso não queira reutilizar a água, outra possibilidade é lavar os veículos utilizando balde, em vez da mangueira.
5. Vegetarianismo e economia de água De acordo com a SVB (Sociedade Vegetariana Brasileira), dentre todas as indústrias, a criação maciça de animais para consumo humano é a que faz o uso mais ineficiente dos recursos hídricos. A carcinicultura (criação de camarões em cativeiro), por exemplo, consome de 50 a 60 litros d'água por quilo de camarão produzido, o que representa mais água doce que a irrigação da agricultura.
Eles ainda lembram que o Relatório Unesco para o Fórum Mundial da Água, de 2004, revelou a quantidade de água limpa usada, em média, para matar a sede de cada animal por dia:
Galinha: 0,1 litro
Peru: 0,2 litro
Bode: 8 litros
Porco: 15 litros
Boi: 35 litros
Vaca leiteira: 40 litros
Sem falar que 70% da água doce mundial vai para a agricultura e que mais da metade da produção agrícola alimenta os animais, que a quantidade de dejetos produzidos pelos bichos criados para consumo é lançada sem tratamento na terra e água, contaminando lençóis freáticos, rios e mares, e que o processo de abate também consome água em abundância. Por isso, os defensores dessa ideia acreditam que o vegetarianismo é a forma mais eficiente de economizar água.
Mudança de atitude e água para todos De acordo com o Instituto Akatu, hoje, são mais de 20 milhões de brasileiros sem acesso à água tratada, o que provoca doenças, principalmente nas crianças, e impede o desenvolvimento social e econômico das pessoas e comunidades afetadas pela falta de água de boa qualidade.
Por isso, mudanças simples nos hábitos cotidianos de consumo têm um impacto enorme. Se não conseguir fazer tudo que está listado neste texto, faça pelo menos um deles e contribua para que um recurso natural tão precioso como a água possa chegar a todos.
Fonte: Yahoo.com

segunda-feira, 21 de março de 2011

Portal do Correio para lutar contra crescimento predatório e insustentável

O planeta já dá sinais de não suportar mais a exploração de seus recursos naturais. O homem deve agir desde já ou as consequências poderão ser trágicas. Por isso, o tema sustentabilidade — principalmente a ambiental — é objeto das principais discussões da Organização das Nações Unidas (ONU, das empresas e da sociedade civil. Atento à importância, o Correio Braziliense lançará, amanhã, o portalhttp://www2.correiobraziliense.com.br/sersustentavel. A intenção é mostrar as novidades sobre o assunto e posicionar-se ao lado dos brasilienses na luta contra o crescimento predatório, desorganizado, insustentável.

Os internautas poderão participar de enquetes, conhecer os movimentos em prol do planeta e receber dicas de como tornar o dia a dia mais sustentável. Ser sustentável é, acima de tudo, saber progredir sem destruir o globo. É conviver em harmonia com o meio ambiente, protegendo-o ao mesmo tempo, que usufrui de seus recursos naturais. Tudo isso é perfeitamente possível de ser realizado. Quer saber como? O portal irá trazer entrevistas exclusivas com diversos especialistas da área, que analisarão situações e apontarão caminhos para uma convivência mais saudável com o planeta.

Amanhã é celebrado o Dia Mundial da Água. Por isso, o projeto Ser Sustentável traz no Correio um caderno especial, com informações sobre o uso consciente e mostrando a participação de organizações não governamentais em trabalhos de preservação ambiental. Também explica como ocorre a concessão de bônus da Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) a quem economiza água e esclarece dúvidas dos leitores sobre o consumo do bem mais precioso da natureza, a água. Especialistas advertem ainda sobre a crise mundial pela qual poderá passar o planeta em um cenário de escassez e dão dicas de como a população pode ajudar a evitar a chegada desse futuro sombrio.


Fonte: CorreioWeb

domingo, 20 de março de 2011

Brasília sediará feira voltada para quem deseja morar fora do país

Aqueles que buscam uma chance de adquirir experiência no exterior e aprender ou aprimorar um segundo idioma devem ficar atentos. Na próxima terça-feira será realizada a 20ª edição da Expo Estude no Exterior, feira de intercâmbio cultural em que os interessados em estudar e trabalhar fora do país podem conhecer diferentes opções de cursos, acomodações, vistos, passagens, seguros, promoções e pacotes de intercâmbio para todos os destinos. Também será possível conversar com diretores de instituições de ensino das América do Norte e do Sul, Europa, da África e da Oceania.

“Na feira, a gente vai ter um pouco de tudo: oferta de cursos de diversos idiomas — como inglês, francês e espanhol —, cursos de graduação e oportunidades para jovens que estão no ensino médio e querem passar um semestre ou um ano letivo fora do país”, informa a diretora do evento, Daniela Ronchetti. Os visitantes também poderão se informar sobre cursos em hotelaria e turismo, áreas que deverão estar em alta com a proximidade da realização da Copa do Mundo e das Olímpiadas, previstas para 2014 e 2016, respectivamente. “Muita gente vai querer entrar nessas áreas por causa da Copa e das Olimpíadas. Por isso, escolas da Suíça oferecerão cursos curtos, de três meses, e cursos técnicos conjugados com estágios renumerados”, explica Daniela.

A 20ª Expo Estude no Exterior traz para Brasília cerca de 30 expositores, incluindo universidades, escolas de idioma, agências de intercâmbio e governos de três países: Canadá, Nova Zelândia e Austrália. Serão oferecidas mais de 500 opções de curso. Dois mil visitantes são esperados pela organização do evento. A empresa Information Planet, por exemplo, colocará especialistas em intercâmbio para orientar o público interessado em estudar e trabalhar no exterior. A gerente de marketing da rede Adriana Tieppo apresentará palestra sobre destinos como Austrália, Canadá e Nova Zelândia.

O estudante de administração Renan Sardinha, 21 anos, foi para o estado norte-americano do Texas em 2006 e passou um ano estudando lá por meio de um programa que conheceu na feira. “Eu havia pesquisado por fora e, durante o evento, tirei dúvidas com várias pessoas que já viajaram e que pretendiam viajar para estudar”, afirma. O jovem diz que vai à Expo todos os anos. “Lá, eu me atualizo sobre os processos de intercâmbio e fico sabendo como estão as escolas.” Em sua viagem aos Estados Unidos, Renan ganhou fluência no inglês. Pretende voltar a estudar no exterior. “Quero fazer um curso rápido de marketing esportivo ou inglês técnico”, afirma.

Nos estandes espalhados pela feira, serão expostas fotos das escolas e acomodações disponíveis. Os visitantes receberão folhetos e publicações com informações sobre os diversos destinos e poderão conversar com especialistas na área de intercâmbio e pessoas que passaram pela experiência de estudar no exterior. O evento também pode ajudar quem não frequenta mais as salas de aula.

Camila Medina Chagas, 27 anos, é formada em relações internacionais e pretende ir à Europa fazer uma pós-graduação na mesma área. Para se informar sobre as opções que tem, foi à edição da feira realizada no passado. “Vi que o evento é mais voltado para quem está na escola ou na universidade, mas foi bom para saber quais são os tipos de intercâmbio e como eles funcionam”, comenta.

A diretora da feira recomenda que os interessados em fechar algum negócio sejam precavidos e peçam contatos de pessoas que já viajaram ao local desejado por meio do mesmo programa. “É importante pegar umas dicas com alguém que conhece nossa cultura”, ressalta Daniela. Os inscritos na feira concorrerão a um curso de inglês no Canadá e a um de espanhol na Argentina, incluindo hospedagem e acomodação.

Fique atento
20ª Expo Estude no Exterior. Terça-feira, das 16h às 21h,
no Hotel Mercure (Eixo Monumental, Setor Hoteleiro Norte, Quadra 5, Bloco G). A entrada é gratuita e as inscrições devem ser feitas pelo site www.estudenoexterior.com/expo2011.


Fonte: CorreioWeb